Pedaço de rocha misterioso intriga cientistas americanos

Floco de pedra vulcânica encontrado no Alasca pode indicar que a Ásia e o continente americano possuíam relações comerciais pré-históricas

São Paulo – Um pedaço de rocha vulcânica pode mudar algumas ideias que os cientistas têm sobre o período pré-histórico na América. 

Arqueólogos no Alasca encontraram evidências comprovando que os continentes americano e asiático possuíam relações comerciais séculos antes do descobrimento da América.

Os pesquisadores da Universidade do Colorado e do Parque Nacional do Estreito de Bering escavaram um floco de pedra vulcânica no Alasca, mas que é originalmente da Península de Chukotka, na Rússia. As regiões são divididas pelo Estreito de Bering.

Eles utilizaram as impressões digitais químicas do pedaço para descobrir sua localização. “Dessa maneira, nós podemos afirmar que veio de um lugar específico do planeta”, disse o arqueólogo Jeff Rasic, em entrevista para o jornal Alaska Dispatch News.

Rasic concluiu que o floco vinha do local depois que visitou a cidade de Magadan, na Rússia, onde encontrou um par perfeito para o pedaço vulcânico.

De acordo com os pesquisadores, a evidência pode fazer parte de uma ferramenta localizada há quatro anos em Cape Espenberg, um assentamento indígena localizado no Alasca.

“Esta ferramenta feita em Chukotka, provavelmente, passou por este lugar e fora dele”, disse Rasic. O arqueólogo afirma que os nativos da região fizeram alguma reparação no objeto e isso acabou deixando alguns flocos para trás.

“Ela (ferramenta) tem bordas incrivelmente nítidas. Elas são mais afiadas do que o bisturi de um cirurgião”, acrescentou Rasic.