Odebrecht e Andrade Gutierrez a um passo de construir base de lançamento de foguetes

Consórcio formado pelas duas construtoras não passou por licitação; o início das obras será ainda em 2010, em Alcântara

São Paulo – Segundo apurou EXAME, as construtoras Odebrecht e Andrade Gutierrez acertam os últimos detalhes do contrato para a construção do sítio de lançamento de foguetes – batizados de Cyclone 4 – no Centro de Lançamentos de Alcântara, no Maranhão. O projeto, orçado inicialmente em 500 milhões de dólares, é gerido pela binacional Alcântara Cyclone Space (ACS), empresa criada em 2007 pelo governo federal, em parceria com o governo da Ucrânia.

Os foguetes serão produzidos pela empresa ucraniana OJSC Azovobschemash e são apropriados para o transporte de satélites. O consórcio nacional será responsável pela construção do espaço físico do sítio de lançamento, em uma área de 8.700 hectares. O Ibama já aprovou os detalhes da obra e acompanha o processo de retirada da vegetação no local onde será construída a base.

Convite

A licitação para escolher um entre os nove consórcios interessados na construção da base foi revogada em maio de 2010, por decisão do Conselho de Defesa Nacional, órgão consultivo da Presidência da República. O argumento utilizado pelo Conselho foi de que o projeto é de interesse público e visa à proteção da segurança nacional. Por isso, poderia ser acelerado por outros meios legais.

Os grupos interessados são Cyclone-Space (Serveng, Schahin, S.A. Paulista), EncalsoConvap-Hap, Nova Alcântara (CR, Almeida, Cesbe), OASConstran, Odebrecht-Andrade Gutierrez, Queiroz Galvão-CariocaVital, CCPS Engenharia e Comércio, Camargo Corrêa e EMSA.

Sem os trâmites da licitação, cartas-convite, chamadas também de RFP (Request for Proposal), foram enviadas aos nove consórcios. Segundo EXAME apurou, o consórcio formado por Odebrecht e Andrade Gutierrez é o que está em negociações mais avançadas com a Agência Espacial Brasileira e os representantes ucranianos para o início da obra. Fontes do setor afirmam que a construtora Camargo Corrêa, que entrou sozinha na disputa, também poderá integrar o consórcio escolhido.

Procurada por EXAME, a Alcântara Cyclone Space negou que o consórcio já tenha sido escolhido. Andrade Gutierrez e Odebrecht não quiseram comentar sobre o tema. Já o Ministério da Defesa não havia respondido aos pedidos de entrevista até a publicação desta reportagem.

Obras

Apesar de não confirmar a escolha do consórcio, a binacional admite que a pedra fundamental do empreendimento será lançada no dia 8 de setembro deste ano, com a presença do presidente Lula. Ainda segundo a ACS, não teria sentido deixar a inauguração do projeto para depois das eleições, pois “é um marco político do atual governo”. As obras devem ser iniciadas ainda em 2010 e o lançamento do Cyclone 4 está previsto para 2012.

Em maio, a Odebrecht formou uma joint venture com a EADS DS, empresa francesa que produz equipamentos de segurança e defesa, e que faz parte do grupo EADS, fabricante dos aviões Airbus. A parceria inclui transferência de tecnologia e a instalação de uma fábrica no Brasil. Na época, a Odebrecht negou que utilizaria a tecnologia aeroespacial da empresa.