Nasa descobre sistema solar com 7 planetas parecidos com a Terra

Três desses planetas estão na zona habitável. A expectativa é que eles possam ter oceanos de água em forma líquida

São Paulo – A Nasa anunciou nesta quarta-feira que encontrou o primeiro sistema solar com sete planetas de tamanho similar ao da Terra pela primeira vez na história. O sistema foi encontrado a cerca de 39 anos-luz de distância–uma distância relativamente pequena em termos cósmicos.

Dos sete planetas, três estão dentro de uma zona habitável, onde é possível ter água líquida e, consequentemente, vida. Os astros mais próximos do seu sol devem ser quentes demais para ter água líquida e os mais distantes devem ter oceanos congelados.

Os planetas orbitam uma estrela anã chamada Trappist-1, que é similar ao Sol e um pouco maior do que Júpiter. Segundo a agência espacial, os astros têm massas semelhantes à da Terra e são de composição rochosa. A expectativa da Nasa é que, na pior das hipóteses, ao menos um dos planetas tenha temperatura ideal para a presença de oceanos de água em forma líquida, assim como acontece na Terra.

As observações preliminares indicam que um dos planetas pode ter oxigênio em sua atmosfera–o que possibilitaria a realização de atividades fotossintéticas por lá. Para que haja vida como concebida por nós, no entanto, é preciso a presença de outros elementos na atmosfera, como metano e ozônio.

Veja também

Segundo o estudo, que foi publicado na revista Nature, há chances de os cientistas encontrarem vida nesses planetas. “Não é mais uma questão de ‘se’, mas uma questão de ‘quando'”, disse Thomas Zurbuchen, administrador da Direção de Missão Científica da Nasa, na coletiva que anunciou a descoberta.

Telescópios na Terra e o Hubble, um telescópio espacial, poderão analisar em detalhes as moléculas das atmosferas dos planetas. Nessa exploração, o Telescópio James Webb, que será lançado ao espaço em 2018, terá papel fundamental. Ele será equipado com luz infravermelha, ideal para analisar o tipo de luz que é emitida da estrela Trappist-1.

Quando o novo telescópio da European Space Organisation começar a funcionar, em 2024, será possível saber se há realmente água nesses planetas.

Ilustração de como pode ser um dos planetas recém-descobertos pela Nasa orbitando a estrela Trappist-1

Mesmo que os pesquisadores não encontrem vida nesse sistema, ela pode se desenvolver lá. O estudo indica que a Trappist-1 é relativamente nova. “Essa estrela anã queima hidrogênio tão lentamente que vai viver por mais 10 trilhões de anos–que é sem dúvida tempo suficiente para a vida evoluir”, escreveu Ignas A. G. Snellen, do Observatório de Leiden, na Holanda, em um artigo opinativo que acompanha o estudo na revista Nature.

Apesar da similaridade entre a Terra e os planetas do sistema recém-descoberto, a estrela Trappist-1 é bem diferente de nosso Sol. A estrela tem apenas 1/12 da massa do nosso Sol. A sua temperatura também é bem menor. Em vez dos 10 mil graus Celsius que nosso Sol atinge, o Trappist-1 tem “apenas” 4.150 graus em sua superfície.

De acordo com o New York Times, a estrela também emite menos luz. Um reflexo disso seria uma superfície mais sombria. A claridade durante o dia, por lá, seria cerca de um centésimo da claridade na Terra durante o dia. Uma dúvida que paira sobre os cientistas é qual seria a cor emitida por pela Trappist-1. Essa cor pode variar de um vermelho profundo a tons mais puxados para o salmão.

Como foi feita a descoberta

Tudo começou em 2016, quando Michael Gillon, astrônomo na Universidade de Liège, na Bélgica, descobriu três exoplanetas orbitando uma estrela anã. Ele e seu grupo encontraram os astros após notar que a Trappist-1 escurecia periodicamente, indicando que um planeta poderia estar passando na frente da estrela e bloqueando a luz.

Para estudar a descoberta mais a fundo, o pesquisador usou telescópios localizados na Terra, como o Star, da Universidade de Liège, o telescópio de Liverpool, na Inglaterra, e o Very Large Telescope da ESO, no Chile. Já no espaço, Gillon usou o Spitzer, o telescópio espacial da Nasa, durante 20 dias.

Com as observações no solo e no espaço, os cientistas calcularam que não havia apenas três exoplanetas, mas sete. A partir dessa análise, foi possível descobrir o tempo de translação, a distância da estrela, a massa e o diâmetro dos sete astros. De acordo com os pesquisadores, ainda é preciso observar o sistema solar por mais algum tempo para saber novos detalhes, como a existência de água líquida.

Exoplanetas

A descoberta de exoplanetas, aqueles que orbitam estrelas que não sejam o Sol, está em ritmo bastante elevado. Até poucas décadas atrás, cientistas imaginavam que estrelas deviam ter planetas orbitando, mas não contavam com ferramentas técnicas apropriadas para a descoberta. Nos últimos 20 anos, com as descobertas acontecendo sem parar, cientistas já atingiram a marca de 3.400 exoplanetas catalogados.

“Nos últimos anos, evidências de que planetas do tamanho da Terra são abundantes na galáxia se acumulam, mas as descobertas de Michael Gillon e de seus colaboradores indicam que esses planetas são ainda mais comuns do que se pensava”, segundo o astrônomo Ignas Snellen. Snellen não estava envolvido na descoberta e publicou sua opinião em um artigo na Nature.

Para cada planeta que avistamos na Terra, existem de 20 a 100 mais deles que não conseguimos ver do nosso mundo por não passarem em frente de sua estrela principal, segundo o pesquisador.

Veja abaixo o vídeo da apresentação.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Rafael Braga

    Apenas um dos 3 planetas que estão na zona habitável é parecido com a Terra.

  2. Célio Azevedo

    Bate uma foto e me manda.

  3. Luiz Guilherme

    nesse universão tô ligado que tá cheio de vida por ai, só basta tentar encontrar. PENA QUE A DISTÂNCIA É ALGO QUE ATRAPALHA MUITO.

  4. Artur Danilo Teixeira

    Apenas 39 anos viajando na velocidade da luz, somente isso.
    Já começo a fazer as minhas malas hoje pra chegar lá antes da minha aposentadoria pela Nova Previdência Brasileira e poder ainda trabalhar em alho lá.

    1. Eduardo Luiz Mendes

      Hahaha ja seria um tempo absurdo caso a gente pudesse viajar a essa velocidade….mas caso o Stephen Hawking estiver certo, podemos chegar bem proximos a essa velocidade….ai talvez mandar uns moleques de 18 anos que devem chegar por la com qse 70….

    2. Wellington Ferreira

      Aí quando vc estiver no meio do caminho, eles descobrem um planeta mais próximo.

    3. Mas tem uma teoria que fala que quanto mais rapido vc está em relaçao as outras pessoas ou a sua propria volta você envelhece menos do que as outras envelheceriam

    4. E aquelas dobras espaciais, que pode ser possível devido ao manto gravitacional?

  5. Wesley Ricce Ferreira da Silva

    Bom… agora só chamar o matthew mcconaughey e a anne hathaway

  6. Heleno Ribeiro

    Interessante mesmo é a loucura para encontrarem algo “habitável”!! Parece uma Obrigação! Como se algo fosse acontecer ou que realmente a Terra está indo pro chapéu 🤔. Tempo para refletirmos

  7. Vítor Teodoro

    Uma pequena correção: encontraram um sistema planetário. Sistema SOLAR é só o nosso, que orbita o único SOL que existe.

    1. Lucas Garcia

      O nosso SOl é uma estrela entre bilhões de outras que existem no universo.

    2. Gleidson Silva

      Meu Deus, quanta burrice.

    3. Mauricio Nunes Vieira

      Vitor está certo, Sol eh o nome dado a nossa estrela, no caso esta se chama trappist-1, então a correção eh valida

    4. Diego Vinícius Martins

      A confusao se deve ao fato de em ingles nosso sistema eh chamado de Sol System, mesmo que a palavra Sol seja sun neste idioma. Para nos de lingua latina, surge uma certa confusao. Mas da minha humilde ignorancia, acho que sistema solar em portugues se aplica no caso em questao.

    5. Júnior Lopes

      A reportagem está correta. Utilizaram “Sol” (nossa estrela, com maiúscula) e “sol” (estrelas nas quais orbitam planetas, com minúscula) nas partes certas da matéria. Entretanto, sol ou sóis são usados apenas na linguagem popular. Cientificamente, é raro se usar o termo sol para determinar estrelas. Como a reportagem é voltada para o público popular e o uso da palavra iniciada em minúscula é aceitável, então não há nenhum erro.
      Seria criticável caso fosse um texto de um paper, mas não é o caso.

  8. Marco Teixeira

    Oxigênio não possibilita atividade fotossíntetica. É consequência dela. O que possibilita é a presença de luz, água e dióxido de carbono.

  9. Ronald Dresch Nicolli

    Essa geracao não consegue tomar condado do planeta terra, que dirá mais um… além de ser de uma inutilidade imensa para alguns. Já tem a soberba da descoberta…

  10. Conspiração planeta

    É sempre assim, descobriram… me manda as imagens. O nosso celular nem funciona direito quando passamos em um túnel. Mas há tecnologia afirmando que há 7 planetas parecidos com sistema solar, e que pode ter água… e daí? vão transportar a água para cá?? Ou vamos para lá? Quando? Como? Que finalidade? Já não basta destruirmos o Planeta Terra. blá blá blá, me levem na Nasa para eu ver com os meus próprios olhos então. Os EUA sempre parecendo estar na frente. Conspiração! Fazer inveja, não perder o reinado Global. E os ETs que eles dizem possuir, nunca ninguém viu… e quando registram no céu, é sempre com aquele borrão e nada definido! Teorias irrelevantes. Tudo sem definição… feito com cenário de filme, produção etc. Me poupe!

    1. Tudo “business”, necessidade de manter as verbas públicas jorrando para sustentar aqueles parasitas.

    2. Diego Vinícius Martins

      Cara, nao subestimando suas capacidades intelectuais, mas astrofisica, astrobiologia e astronomia nao sao ramos da ciencia faceis de se entender com uma sentada de bunda em um banco da NASA; existem forcas, leis, teorias e discussoes que nao no na mente so de se referenciar, o trabalho desses caras nao eh facil, e se os USA conseguem manter a ponta nesse campo, muito bem. Enquanto a maioria dos paises nao consegue pousar um satelite em Marte os USA mandam um para Plutao e outros para fora da orbita dos nosso sistema.

  11. Quarenta anos luz? É meu quintal…só faltam encontrarem ETs e batizá-los de “mano”.

  12. Juliana Blazek

    Sempre tive as minhas dúvidas se nós eramos de fato os únicos detentores de vida inteligente… Daqui há alguns anos poderemos até nos surpreender ao descobrir que nós é quem somos os tais ETs

  13. Zanoyoda Pedrosa

    Matéria cheia de erros, parei de ler no quarto parágrafo. “estrela anã chamada Trappist-1, que é similar ao Sol e um pouco maior do que Júpiter.” O sol não é uma anã vermelha, e sua temperatura na superfície é em torno de 5800 K. “As observações preliminares indicam que um dos planetas pode ter oxigênio em sua atmosfera–o que possibilitaria a realização de atividades fotossintéticas por lá.” Não é o oxigênio que possibilita a realização da fotossíntese. O oxigênio molecular é o sub-produto da fotossíntese. E mais, “Para que haja vida como concebida por nós, no entanto, é preciso a presença de outros elementos na atmosfera, como metano e ozônio.”. Metano e ozônio não são elementos, são compostos químicos, moléculas. “Ele será equipado com luz infravermelha, ideal para analisar o tipo de luz que é emitida da estrela Trappist-1.” Credo!!! Ele vai ser um canhão infravermelho?

    1. Enzo Passos Costa

      Sem falar que o gás oxigênio liberado na fotossíntese é proveniente da água.

  14. Rodrigo Sanches

    Vamos pensar bem…. O tal “sistema solar” está a 39 anos luz de distância. Isto significa que se viajarmos daqui até lá na velocidade da luz, levaríamos 39 anos para chegar… Considerando que a velocidade da luz é de 299.792.458 metros por segundo, ou seja, 1.079.252.848,79 km/h, tudo o que precisamos para explorar esse novo “sistema solar” é descobrir uma forma de nos deslocarmos a essa velocidade incrível de UM BILHÃO, SETENTA E NOVE MILHÕES, DUZENTOS E CINQUENTA E DOIS MIL, OITOCENTOS E QUARENTA E OITO QUILÔMETROS POR HORA durante “apenas” 39 ANOS de nossas vidas, sem parar, nem pra ir ao banheiro! Olha que fácil!!!!!!!!!
    Tipo assim…. A NASA anuncia. Acredita quem quer. Quem duvida, que prove o contrário. E na prática? Foi uma “descoberta” que não serviu para nada!

  15. João Marcos de Saron

    Distância é um trem tão ruim que atrapalha até a deusa Nasa.

  16. Sempre Presente

    Ainda que este sistema solar encontrado tenha condições para a vida como conhecemos existe um grande problema que os cientistas não perceberam ainda. Devido o fato de haver três planetas dentro da zona habitável faz com que a gravidade no sistema solar se torne repulsiva. Ou seja os planetas estão sendo tragados pela sua estrela-mãe. Em outras palavras o sistema solar encontrado está morrendo

  17. Clailson Kalev

    Se fosse há uma semana atrás,eu acreditaria nessa notícia,mas agora vejo uma grande possiblidade da NASA sempre ter mentido pra humanidade,há uma grande possibilidade da Terra ser planae não uma esfera como aprendemos na escola,amigos pesquisem sobre a Terra plana e tirem suas conclusões,se há uma semana alguém me contasse sobre Terra plana e NASA SER MENTIROSA eu iria achar essa pessoa louca e equivocada,mas agora vejo essa possibilidade….
    http://frequenciaufologica.blogspot.com.br/2011/06/terra-e-plana-segundo-o-cientista.html

  18. ALEXANDRE BOREK

    Matéria repleta de erros técnicos e pessimamente escrita. Sugiro que entrem em contato com alguém da área para poder escrever uma matéria decente.