Dólar R$ 3,27 -0,31%
Euro R$ 3,66 -0,03%
SELIC 11,25% ao ano
Ibovespa 1,43% 63.558 pts
Pontos 63.558
Variação 1,43%
Maior Alta 4,64% CYRE3
Maior Baixa -2,69% VALE3
Última atualização 24/05/2017 - 12:19 FONTE

HIV é removido de células por meio de edição genética

Cientistas desligaram totalmente a multiplicação do HIV

São Paulo – Imagine pegar uma célula humana, tirá-la do corpo, alterar sua função e colocá-la de volta para evitar a multiplicação de uma doença.

Foi isso que pesquisadores da Universidade Temple, EUA, fizeram para remover células da aids. Eles eliminaram o HIV a partir do genoma de células humanas. E o melhor, quando essas células foram expostas ao vírus, estavam protegidas contra a reinfecção.

O método utilizado pelos cientistas é o CRISPR/Cas9. A técnica consiste em direcionar proteínas “editoras” para seções específicas do DNA de uma célula.

O nome CRISPR refere-se a uma sequência específica de DNA retirado de um organismo unicelular – como uma bactéria – que faz par com uma enzima guiada por RNA: a Cas9.

Passo a passo

Para editar o DNA do vírus dentro de uma célula humana, coloca-se uma bactéria para identificá-lo e produzir uma fita de RNA idêntica ao código do DNA viral. Esse RNA-guia vai se juntar à enzima Cas9 para caçar os vírus com o DNA codificado e destruí-los.

Usando essa técnica, os pesquisadores eliminaram o DNA HIV-1 do genoma de linfócitos T (glóbulos brancos que atuam na imunidade do organismo) humanos cultivadas em laboratório.

E quando essas células foram expostas novamente ao vírus, estavam protegidas contra reinfecção.

Apesar dos cientistas já terem testado outras formas de edição genética antes, esta é a primeira vez que se descobre como evitar novas infecções.

E quando se fala de HIV, isso é fundamental para melhorar os tratamentos e desenvolver medicamentos anti-retrovirais, porque quando os pacientes param de tomar esses remédios, o HIV volta a sobrecarregar as células – com o CRISPR/Cas9, esse processo pode ser barrado sem efeitos tóxicos.

No Reino Unido, o uso da CRISPR/Cas9 foi aprovado recentemente em embriões humanos para melhorar a qualidade das fertilizações in vitro e reduzir o número de abortos.

No início deste ano, pesquisadores norte-americanos utilizaram a técnica em ratos de laboratório para tratar uma doença genética rara, a Distrofia Muscular de Duchenne.

A pesquisa foi o primeiro caso de sucesso da CRISPR/Cas9 em mamíferos vivos e indica o potencial do tratamento para o HIV no futuro.