Dólar R$ 3,32 0,51%
Euro R$ 3,76 0,11%
SELIC 10,25% ao ano
Ibovespa -0,82% 61.675 pts
Pontos 61.675
Variação -0,82%
Maior Alta 5,67% CSNA3
Maior Baixa -3,90% ESTC3
Última atualização 27/06/2017 - 17:21 FONTE

Estudo mostra que baixo consumo de glúten pode levar à diabetes

Pesquisadores americanos descobriram que pode haver uma relação entre a proteína e a doença que afeta mais de 300 milhões de pessoas no mundo

São Paulo – Na esperança de emagrecer, muitos entram na moda da dieta glúten free e diminuem o consumo dessa proteína. Um estudo, no entanto, mostra que as pessoas não deveriam parar de comer glúten se não são alérgicas a ele. Isso porque a proteína pode proteger o corpo de uma doença que afeta mais de 300 milhões de indivíduos no mundo: a diabetes tipo 2.

Cientistas americanos da Universidade de Harvard descobriram que os participantes da pesquisa que consumiram mais glúten foram 13% menos propensos a desenvolver a condição em comparação com as pessoas que ingeriram menos da proteína.

Para chegar a esse resultado, os pesquisadores utilizaram informações obtidas por três estudos que, juntos, duraram 30 anos (1984-1990 e 2010-2013). Nessas pesquisas, os participantes precisaram responder a um questionário de frequência alimentar a cada dois e quatro anos.

Com essa base de dados, os cientistas estimaram a ingestão de glúten dos participantes e viram que a maioria dos voluntários comeu menos de 12 gramas por dia. Depois, eles analisaram quais pessoas desenvolveram diabetes tipo 2 durante o período do estudo. A doença é o tipo mais comum de diabetes e ocorre quando o corpo não é mais capaz de usar a insulina de maneira eficiente.

O que os cientistas descobriram é que cerca de 16 mil pessoas que participaram dos estudos desenvolveram diabetes tipo 2. Ao comparar o consumo de glúten aos riscos de desenvolver a doença, eles chegaram à conclusão que os voluntários que comeram mais glúten tinham 13% menos chances de desenvolver a condição do que os que não consumiram tanto a proteína (menos de quatro gramas diárias).

Além disso, os indivíduos que se alimentaram com menos glúten também tiveram uma menor ingestão de fibra de cereais.

Os pesquisadores ainda não sabem dizer por que os participantes que comeram mais glúten foram menos propensos a desenvolver a doença. A hipótese deles é que essas pessoas também comeram mais fibras, uma substância conhecida por proteger o corpo contra o diabetes tipo 2.

Mais de dois milhões de brasileiros são celíacos. Isso significa que essas pessoas não podem consumir glúten sem que seus sistemas imunológicos não reajam contra elas. O tratamento mais eficaz é a abstenção dessa proteína comumente encontrada em alimentos que contém trigo, aveia, centeio, cevada e malte.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Que manchete mais absurda, glúten gera pico glicêmico é isso é bom pra diabetes? Haja mentira, estudo observacional sem evidência científica. Se for pela fibra muito melhor um prato de salada do que uma cereal.

  2. exame que decepção. parece que alguém comprou essa matéria. esse tipo de coisa tira a credibilidade de vcs.
    todos sabem que o glutem é um veneno.
    matéria mentirosa.

  3. Carlos Ferraz Jr

    Para quem ver esta notícia, é importante notar o artigo original, cuja conclusão reproduzo aqui:

    Conclusions: Our findings suggest that gluten intake may not exert significant adverse effects on the incidence of T2D or excess weight gain. Limiting gluten from diet is thus unlikely to facilitate T2D prevention and may lead to reduced consumption of cereal fiber or whole grains that help reduce diabetes risk.

    Traduzindo: Nossos achados sugerem que o consumo de glúten não deve exercer efeitos adversos significativos na incidência de Diabetes Tipo 2 ou no excesso de ganho de peso. Limitar o glúten da dieta não parece, portanto, facilitar a prevenção da diabetes tipo 2 e pode levar a redução do consumo de fibras de cereais ou grãos integrais que ajudam na redução do risco de diabetes.

    O que a pesquisa conclui, na verdade, é que a redução do consumo de glúten pode levar a redução do consumo de fibras, o que é verdade se não houver uma substituição por aveia sem glúten, frutas, outros cereais integrais, etc. E a redução do consumo de fibras é que pode aumentar o risco da diabetes SE houver um aumento de consumo de carboidratos simples associado na dieta.

    Logo a manchete é enviesada e tendenciosa e diverge da conclusão da pesquisa. Todo cuidado é pouco ao compartilhar este tipo de notícia.

    O artigo original está aqui:

    http://www.abstractsonline.com/pp8/#!/4299/presentation/3048

  4. Isto é apenas um estudo observacional ou seja de associação e não de causa-efeito, que seria o mais fidedigno. Estamos a assumir que os resultados são mais favoráveis para as pessoas com uma dieta rica em glúten porque este particular estudo nos mostrou que, por acaso, uma parte delas não desenvolveu diabetes tipo 2, o que é ridículo.
    E este artigo está também como que a incentivar as pessoas com doença celíaca a reconsiderarem a ausência de glúten nas suas dietas e isso sim é pouco científico – assim como todo o estudo, parece-me! – e perigoso.
    Admira-me imenso que a sociedade americana de diabetes tenha realmente partilhado este estudo. Sinceramente, achei-o muito estúpido, com correlações que caem de pára-quedas.

  5. Afonso William Ribeiro

    Manchete bosta, com tradução ruim, e indica uma graça formação da “jornalista” que além de tudo, escreve mal pra caralho…. Jornalismo lixo.

  6. Elly Flor de Lotus

    Perdeu, Exame.com..
    Os produtos que contém glúten estão ficando encalhados nas prateleiras dos supermercados, e a indústria já percebeu isso.
    O mais curioso é que essa conscientização do glúten free é recente, e a pesquisa fala em 30 anos atrás, quando nem o trigo ainda não era transgênico, contraditória essa pesquisa.

  7. Cadastro Silva

    Somente o trecho “os participantes precisaram responder a um questionário de frequência alimentar a cada dois e quatro anos” já seria suficiente para não publicar uma notícia destas. Muito suspeita a análise/conclusão destes dados desta pesquisa.