Estudo: dinossauros não podem ser “ressuscitados” por DNA

"Estivemos permanentemente afligidos pelo mito criado por "Parque dos Dinossauros" desde o início de 1990", disse ao diário "Sydney Morning Herald" Mike Bunce

Sydney – Cientistas australianos descobriram que o DNA não sobrevive mais de 6,8 milhões de anos e por isso é “altamente improvável” a extração de material genético dos dinossauros, que desapareceram há 65 milhões de anos, informou nesta quinta-feira a imprensa local.

“Estivemos permanentemente afligidos pelo mito criado por “Parque dos Dinossauros” desde o início de 1990″, disse ao diário “Sydney Morning Herald” Mike Bunce, um dos participantes desta pesquisa.

O filme de Steven Spielberg avivou a crença de que o DNA dos dinossauros poderia ser extraído de mosquitos preservados em âmbar durante milhões de anos. Depois, os cromossomos desses grandes répteis da Era Mesozoica seriam reconstruídos para então reproduzi-los.

Para conhecer a viabilidade do experimento, Bunce e seu colega Morten Allentoft decidiram estudar o período de sobrevivência do DNA a partir dos restos de 158 moas, uma espécie de aves gigantes já extinta.

A partir dessa experiência, os pesquisadores descobriram que o DNA sobrevive em fragmentos ósseos por “apenas” 6,8 milhões de anos se for conservado a uma temperatura de -5ºC.

No entanto, o cientista australiano disse que é provável que se possa extrair uma quantidade significativa de DNA de restos fósseis com cerca de 1 milhão de anos conservados em ambientes gélidos e “fazer algo com eles”.

Ainda assim, existem outras dificuldades para extrair o DNA de insetos conservados em âmbar, já que eles tendem a desintegrar-se devido a seu estado de decomposição e o DNA costuma estar contaminado e incompleto.