Descoberto um parasita da mosca que transforma as abelhas em zumbis

Parasita pode ajudar no avanço das pesquisas para determinar as causas do desaparecimento maciço das abelhas

Washington – Os investigadores detectaram um parasita da mosca que faz as abelhas domésticas abandonarem suas colmeias, as deixa desorientadas e provoca sua morte, segundo um estudo publicado na última edição da revista PLoS ONE.

Este problema foi observado pela primeira vez no campus da Universidade do Estado em San Francisco (oeste dos Estados Unidos).

Segundo os entomologistas, esta parasita pode ajudar no avanço das pesquisas para determinar as causas do desaparecimento maciço das abelhas, um fenômeno conhecido como “desordem de colapso de colônia ou CCD”.

Este misterioso fenômeno surgido em 2006 dizimou as populações de abelhas domésticas nos Estados Unidos, que têm um papel essencial para preservar as colheitas que dependem de sua polinização.

Essas produções, em especial as frutas e certos legumes, representam vendas de 15 bilhões de dólares por ano e significam um terço da alimentação humana.


Até o momento, este parasita da mosca, denominado Apocephalus borealis, foi encontrado apenas nas abelhas domésticas da Califórnia e Dakota do Sul, segundo John Hafernick, professor de biologia na Universidade do Estado, um dos autores desta investigação publicada na edição de 3 de janeiro da revista PLoS ONE.

Mas Hafernick adverte sobre o risco de que se trate de um parasita emergente que “poderá ameaçar as colmeias de todos os Estados Unidos devido ao grande número de Estados atravessados pelos apicultores profissionais com suas colmeias para polinizar as colheitas”.

A infecção de uma colmeia começa quando uma mosca deposita seus ovos no abdômen de uma abelha.

Uma vez infectada por parasitas, as abelhas abandonam suas colmeias para se reunir perto de fontes de luz.

“Observamos que as abelhas infectadas começam a dar voltas sem nenhum sentido ou orientação”, explicou Andrew Core, pesquisador da Universidade do Estado, o principal autor destes estudos.

A maioria das abelhas morre normalmente no lugar onde param e, às vezes, se encolhe antes de morrer”, acrescentou.