Cientistas tentam descobrir melhor forma de urinar

O objetivo da equipe é entender as dinâmicas do fluído e descobrir a posição e a direção que melhor evitam os incômodos respingos

São Paulo – Um grupo de quatro cientistas da Universidade de Brigham Young, na Inglaterra, está estudando algo que pode mudar a vida dos homens: a física do jato de urina. O objetivo da equipe é entender as dinâmicas do fluído e descobrir a posição e a direção que melhor evitam os incômodos respingos.

O problema atinge a maior parte dos homens, que precisam cuidar para evitar que a urina que cai no vaso sanitário – ou no mictório – se espalhe para o chão ou até para as calças. Segundo o site Phys.org, para entender melhor o problema, os quatro pesquisadores simularam o jato saindo de uma pequena mangueira e o filmaram com uma câmera de alta-velocidade.

Assim, além de terem percebido que a urina não segue um fluxo contínuo, eles puderam analisar diversas técnicas conhecidas – e desconhecidas – que as pessoas utilizam para evitar os respingos. Por ora, os melhores resultados foram obtidos pela manobra de “sentar no vaso”, já que o emissor está bem mais próximo “ponto de contato”.

Levando isso em conta, as outras técnicas que tiveram relativo sucesso nos testes envolvem essa proximidade com a privada ou o mictório – ou seja, homens altos devem ter mais problemas. É graças a ela que a urina não tem tempo de se “dividir” em gotas, mantendo-se no “jato contínuo”.

Outras dicas dos cientistas, que ainda não concluíram o estudo, envolvem fugir da água do sanitário – ou seja, fazer xixi nas “paredes” da privada – e usar mictórios mais sujos. Esta última sugestão parece estranha, mas, segundo os pesquisadores, as substâncias usadas para limpar os locais diminuem a tensão superficial. Assim, quanto mais sujo o banheiro, menos respingos você verá espalhados por aí. Neste vídeo aqui, dá para entender melhor os testes e ainda conferir outras dicas.