Grã-Bretanha oferece US$10 mi por pesquisa sobre ebola

Governo britânico e entidade médica fizeram um chamado de emergência para pesquisas que ajudem a combater o pior surto de ebola do mundo

Londres – O governo britânico e a entidade médica Wellcome Trust fizeram um chamado de emergência para pesquisas que ajudem a combater o pior surto de ebola do mundo na África Ocidental, oferecendo 6,5 milhões de libras, ou 10,8 milhões de dólares.

Equipes de especialistas de todo o mundo estão convidados a apresentar propostas de pesquisa até 8 de setembro para iniciativas que possam investigar rapidamente novas abordagens para o tratamento, prevenção e contenção da doença.

“A gravidade da epidemia de ebola na África Ocidental exige uma resposta urgente, e acreditamos que a pesquisa rápida sobre intervenções humanitárias e terapêuticas possa ter um impacto no tratamento e contenção durante o surto atual”, disse o diretor da Wellcome, Jeremy Farrar, em um comunicado.

A Wellcome também anunciou um investimento de longo prazo em ciência africana no valor de 40 milhões de libras.

Não há tratamentos ou vacinas comprovadas para o ebola, mas a Organização Mundial da Saúde (OMS) tem apoiado o uso de produtos não testados e aguarda uma melhoria no abastecimento de medicamentos experimentais até o fim do ano.

Cientistas britânicos disseram anteriormente que até 30 mil pessoas precisariam de tais tratamentos ou vacinas no atual surto, que já matou mais de 1.300 pessoas.