Dólar R$ 3,27 -0,54%
Euro R$ 3,66 0,51%
SELIC 11,25% ao ano
Ibovespa 1,36% 64.085 pts
Pontos 64.085
Variação 1,36%
Maior Alta 4,89% RADL3
Maior Baixa -6,09% JBSS3
Última atualização 26/05/2017 - 17:20 FONTE

Você sabe de onde vêm as palavras chauvinista e cicerone?

Professor Diogo Arrais, do Damásio Educacional, explica a origem dos termos chauvinista e cicerone

* Escrito por Diogo Arrais, professor de Língua Portuguesa do Damásio Educacional

Durante estas minhas sonhadas férias (termo que, aliás, deve concordar devidamente no plural), deparei-me com duas curiosas palavras em uma revista sobre Turismo: “chauvinista” e “cicerone”.

Que é um sujeito “chauvinista”? O Chauvinismo define alguém que toma uma atitude extrema em defesa de seu país (por extensão de sentido ou de qualquer causa).

A expressão foi inspirada no soldado francês Nicolas Chauvin, condecorado por Napoleão Bonaparte, por sua bravura. Chauvin foi eleito como símbolo do soldado corajoso.

No entanto, autores teatrais começaram a zombar do fanatismo bélico de Chauvin e o termo “chauvinista” começou a ganhar conotação negativa. Para criticar o machismo da década de 70, foi criada a expressão “porco chauvinista”.

Da série gente que virou palavra, nas importantes pesquisas do etimólogo Marcelo Duarte e do próprio Houaiss, deparei-me com a origem de “Cicerone”.

Uma pessoa que faz as vezes de guia para turistas é chamada de cicerone. A palavra vem do nome do orador e estadista romano Marcus Tullius Cícero (106-43 a.C.), que personificava a eloquência e o conhecimento que se espera de um guia.

Por falar em “eloquência” (capacidade dos que se exprimem com facilidade), o termo – pelo Novo Acordo Ortográfico – não faz mais uso de trema. Anotemos: trema deixa de existir apenas em palavras de origem portuguesa.

Um grande abraço, até a próxima e siga-me pelo Twitter!

Diogo Arrais
@diogoarrais
Professor de Língua Portuguesa – Damásio Educacional
Autor Gramatical pela Editora Saraiva