Uma regra simples para saber usar a crase

Diogo Arrais, professor do Damásio Educacional, mostra um caminho definitivo para saber quando usar o acento grave ou não

Na última semana, separei algumas manchetes para que, hoje, pudesse comentar sobre o uso do acento grave. Analisemos:

“Carta de renúncia deve ser encaminhada à Diretoria”

“Verba direcionada à Educação”

“O pedido de análise já foi enviado à Câmara”

A compreensão sobre o uso do acento grave está em sua “indicação de duas palavras”. O acento grave vale por dois termos.

Note, por exemplo, como “à” pode ser substituído por “para a” – sem que haja alteração alguma de sentido:

“Carta encaminhada para a Diretoria”

“Verba direcionada para a Educação”

“Pedido enviado para a Câmara”

Quando essa substituição (por PARA A) não for possível, o acento grave (em A) não existirá e será apenas prepositivo:

“Carta encaminhada a você”

“Verba direcionada a todos os artistas”

Entendida essa “validade por dois”, vale a pena estudar os casos que envolvem “moda” (como em “à francesa”, “à brasileira” etc.); as famosas locuções adverbiais femininas (como em “à medida que”, “à zero hora”, “às vezes” etc.); os três casos clássicos facultativos. Falaremos desses assuntos em outra oportunidade.

Um grande abraço, até a próxima e siga-me pelo Twitter!

Diogo Arrais
@diogoarrais
Professor de Língua Portuguesa – Damásio Educacional
Autor Gramatical pela Editora Saraiva