Os sinais de que a entrevista foi um fiasco

Aprenda a identificar quando não está indo bem na entrevista e como mudar isso

São Paulo – O processo de seleção correu as mil maravilhas e, após muitos dedos cruzados, você foi chamado para a entrevista de emprego. Mas, na hora H, a conversa com o headhunter não saiu bem como você planejava. Confira quais são os sinais de que a entrevista tem tudo para ir por água abaixo e como mudar este cenário:

O recrutador entra numa maratona

O sinal mais contundente de que a entrevista não está indo muito bem é quando o recrutador, por si só, entra numa corrida alucinada para colocar um ponto final na conversa.

Na hora da entrevista, a meta do recrutador é captar o máximo possível de informações sobre você. Quando ele não trabalha neste sentido, sinal vermelho.

“Se ele faz perguntas superficiais pode indicar que alguma coisa está errada” diz Andressa Pereira, coordenadora em Executive Search da De Bernt Entschev.

Solução Não há problema algum em questionar se o recrutador não prefere fazer a entrevista em outro horário. “Você tem que tentar transformar a entrevista numa conversa natural”, afirma Silvio Celestino, da Alliance Coaching.

O especialista afirma que nem sempre a culpa da pressa do recrutador é só do candidato. “O headhunter não é uma pessoa de outro nível”, diz o Celestino. Por isso, como todos mortais também tem dias ruins. E, por azar, um desses dias pode ser justamente durante a entrevista com você.

Diante disso, a solução é sentar e chorar? Nem pensar. “Você tem que ter muita confiança e fazer de tudo para puxar a entrevista para o seu lado”, afirma Celestino.


O candidato erra feio… e assusta o recrutador

Errar é humano, fato. Mas em uma entrevista de emprego, deslizes podem ser fatais. Chegar atrasado, fugir do dress code da companhia, falar uma palavra de baixo calão ou liberar o veneno contra a antiga empresa se enquadram na lista de erros que podem custar a oportunidade profissional.

Solução Um pedido de desculpas é sempre bem vindo neste tipo de situação. Se possível, logo nos minutos seguintes ao deslize. Se chegou atrasado, desculpe-se, mas também não exija a entrevista. Cheque se o recrutador tem espaço na agenda para isso. Se não, peça para fazer em outro dia.

 

O candidato não consegue controlar as emoções

 

É comum ficar com as emoções à flor da pele durante uma entrevista de emprego. E, muitas vezes, é quase impossível controlá-las. Infelizmente. Pois picos elevados de ansiedade são um dos principais auto sabotadores na entrevista.

Solução Nessas horas, a melhor estratégia é ser honesto. “Peça um tempo para se refazer. Beba um copo de água, vá ao toalete”, aconselha Celestino. “Não é nenhum demérito. Ao contrário, você mostra o quanto quer aquele emprego”.

Como agir quando as chances naufragam?

Andressa, da De Bernt, afirma que já no final da entrevista vale pedir um feedback para o recrutador. “Você pode falar: estou em busca de desenvolvimento profissional, você tem alguma sugestão de onde eu posso melhorar?”, diz.

Se não rolar espaço já no final, não tenha pudores de pedir uma segunda chance com as devidas justificativas. “O não você já tem”, lembra Celestino. Mas se conseguir esta nova oportunidade, surpreenda.

O headhunter precisa perceber que a primeira impressão que teve de você estava errada. E, para provar isso, a dica é mostrar todo seu potencial de uma tacada só. Celestino exemplifica isso com a história de uma candidata ao cargo de gerente da área de logística de uma determinada empresa.

Ela não passou na entrevista, mas pediu uma segunda chance. Para isso, por conta própria, pediu para agendar uma reunião com a diretoria da companhia para fazer uma apresentação sobre como seria seu trabalho. Detalhe, a sede da companhia ficava em outro estado e ela pagou as passagens de avião do próprio bolso.

Não deu outra. Nos minutos seguintes à apresentação, a candidata foi contratada.