Os CEOs que ganham mais na comparação com os funcionários

O CEO do McDonald's, por exemplo, tem uma diferença salarial entre o funcionário médio de sua empresa numa proporção de 644 para 1

O McDonald’s poderá ter que dar explicações.

A rede de fast food registra uma das maiores diferenças entre a remuneração do CEO e a do funcionário médio da empresa, com uma proporção de 644 para 1, de acordo com dados compilados pela Bloomberg.

Segundo uma norma aprovada na semana passada pela Comissão de Valores Mobiliários dos EUA (SEC, na sigla em inglês), empresas de capital aberto como o McDonald’s serão obrigadas a divulgar anualmente uma métrica similar a essa, o que está entregando nova munição para os críticos dos pacotes de salários dos altos executivos.

O CEO do McDonald’s está longe de liderar a lista dos executivos mais bem pagos dos EUA, mas isso não importa.

O número que a SEC está exigindo mede a remuneração do CEO comparada à média das remunerações de todos os funcionários, uma proporção desfavorável em uma empresa cuja folha de pagamentos inclui muitos trabalhadores encarregados de virar e fritar hambúrgueres.

Algumas empresas nas quais os principais gerentes receberam no ano passado milhões de dólares a mais do que os US$ 7,3 milhões pagos a Don Thompson, do McDonald’s (que deixou o cargo em março), na verdade têm proporções mais baixas.

Entre os exemplos estão o JPMorgan Chase e a operadora de hospitais Community Health Systems, ambos com diferenças nos salários de mais de 200 para 1, que ainda assim estão entre as mais elevadas entre todas as empresas dos EUA.

As estimativas baseadas nas informações disponíveis hoje provavelmente serão diferentes daquelas que as empresas reportarão quando a norma da SEC entrar em vigor, daqui a dois anos.

O motivo é que a SEC está permitindo, por exemplo, que as empresas omitam uma determinada porcentagem de funcionários do exterior, que poderiam ter salários mais baixos.

A Bloomberg estimou o salário médio dos trabalhadores identificando os salários e as despesas com benefícios reportados pelas empresas e dividindo o valor pelo número total de trabalhadores.

Um dos problemas de usar o salário médio para chegar a conclusões sobre quanto os CEOs ganham na comparação com seus funcionários é que a norma da SEC está baseada na remuneração mediana, nível que deixa metade dos trabalhadores ganhando mais dinheiro e metade recebendo menos.

Um dólar

Por outro lado, é quase certo que empresas como o McDonald’s, onde a remuneração inicial é apenas um dólar superior ao salário mínimo dos EUA, reportarão proporções de remunerações que surpreenderão alguns funcionários e, talvez, os investidores.

“Eu suponho que o CEO do McDonald’s, que tem muitas pessoas trabalhando em restaurantes da rede, registraria uma grande proporção e teria muitas pessoas na parte mais baixo da pirâmide”, diz John Engler, presidente da Business Roundtable, uma associação de empresas contrária à norma da SEC.

O salário do McDonald’s é consistente com as funções e responsabilidades dos funcionários, segundo a porta-voz Becca Hary.

A empresa está orgulhosa das recentes mudanças realizadas, incluindo a oferta de intervalos remunerados e a ajuda para que mais trabalhadores paguem seus estudos universitários, diz ela.

Envergonhar CEOs

É pouco provável que as corporações gostem da nova exigência da SEC, que decorre da Lei Dodd-Frank, de 2010. Muitas temem que ela seja usada por sindicatos e ativistas para envergonhar os CEOs por suas remunerações.

“Essa lei realmente enfraquece a própria SEC e sua credibilidade, porque não é algo que importe aos acionistas”, disse o CEO da CIT Group, John Thain, à Bloomberg Television, na semana passada. “Trata-se de um comunicado populista e político”.

Thain está familiarizado com revoltas populistas. Como CEO do Merrill Lynch durante a crise financeira, sua decisão de gastar US$ 35.000 em uma cômoda em meio à remodelação de um escritório se tornou um símbolo da indignação pública contra os banqueiros.

Veja a disparidade entre os salários de CEOs e funcionários médios nos EUA:

CEO/Companhia Ganho do CEO Ganho do funcionário médio Disparidade
Donald Thompson(McDonald’s) US$ 7,29 milhões US$ 11.324 mil 644
Wayne Smith (Community Health Systems) US$ 26,44 milhões US$ 63.837 mil 414
Alan Miller (Universal Health Services) US$ 18,43 milhões US$ 55.975 mil 329
Darren Huston (Priceline) US$ 21,97 milhões US$ 74.818 mil 294
S. David Passman III (Carmike Cinemas) US$ 3,25 milhões US$ 11.789 mil 276
Jack Koraleski (Union Pacific) US$ 28,14 milhões US$ 107.540 mil 262
Trevor Fetter (Tenet Healthcare) US$ 17,95 milhões US$ 74.287 mil 242
Richard Davis (US Bancorp) US$ 19,37 milhões US$ 83.356 mil 232
Jamie Dimon (JPMorgan Chase) US$ 27,70 milhões US$ 124.959 mil 2223
Ken Chenault (American Express) US$ 22,80 milhões US$ 112.870 mil 202
R. Milton Johnson (HCA Holdings Inc.) US$ 14,63 milhões US$ 73.960 mil 198

Fonte: Bloomberg