O que fazer com um diploma de engenharia no Brasil?

Professor da Unicamp analisa o mercado de engenharia para quem vai começar a carreira

Em 2010, cerca de 40 mil engenheiros se formavam por ano no Brasil em campos tão diversos quanto Computação, Elétrica, Mecânica, Eletrônica, Aeronáutica, Naval e Civil – para citar algumas das mais de 30 engenharias disponíveis no país. Em 2015, este número já tinha saltado para mais de 80 mil, de acordo com a Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo).

Embora pareça uma grande quantia, o Conselho Nacional de Engenharia e Agronomia (Confea) aponta que outras nações têm muito mais desses profissionais essenciais para o desenvolvimento nacional: Índia e China formam, respectivamente, 220 mil e 650 mil novos engenheiros por ano.

Mesmo em tempos menos auspiciosos, quando há empresas encerrando milhares de vagas e gigantes nacionais sob investigação, ainda são muitas as possibilidades para engenheiros qualificados no mercado – o que se torna especialmente para quem também está disposto a aplicar seus conhecimentos de outras maneiras.

Isso porque um engenheiro é treinado para entender e solucionar problemas, e sua capacidade de raciocínio lógico e analítico é muito bem vinda tanto no mercado financeiro quanto num hangar de aviões, numa ONG, em uma startup, na gestão pública ou em uma consultoria estratégica, por exemplo.

“A Engenharia é basicamente a arte de engenhar, ou seja, pensar e desenvolver soluções baseadas em conhecimentos pré-existentes ou no desenvolvimento de nova tecnologias”, resume Carlos Marmorato, professor e coordenador associado da graduação da Engenharia Civil da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), uma das melhores do país.

“O curso oferece ao aluno um conhecimento amplo em diversas áreas. Evidentemente, o profissional acaba se especializado, mas todo conteúdo adquirido propicia ao engenheiro uma visão mais abrangente e importante no exercício profissional.”

Carreira em engenharia: destaque para os bons profissionais

Esse não é, porém, o único fator em jogo para quem se forma agora: o salto brasileiro no número de formandos não se reflete necessariamente na qualidade dos profissionais que chegam ao mercado.

O setor privado, responsável por ampliar em quase 600% a quantidade de formandos em Engenharia entre 2000 e 2015, acabou inundando o mercado com novos profissionais – mas nem todos são cursos bem qualificados pelo Ministério de Educação.

Os diversos rankings de melhores universidades de Engenharia do país costumam ser dominados pelas universidades públicas (federais e estaduais), com exceções de instituições particulares como PUC, FEI, Unisinos, Mackenzie e Mauá.

Num cenário como o atual, destaca-se com facilidade o jovem que estiver bem preparado. Para Marmorato, o engenheiro mais valioso é aquele que detém o conhecimento e “zela pelo bom exercício profissional, com ética e profissionalismo”.

Ou seja, o ideal é que o profissional busque ampliar seus conhecimentos sempre que possível, investindo em estudos e especializações que estão em alta no mercado, como análise de dados e desenvolvimento de negócios, para conquistar empresas cada vez mais exigentes.

À espera de um novo boom

No início dos anos 2010, muito se falava sobre um possível “apagão de engenheiros” no Brasil, que apresentava então fortes índices de crescimento e investia pesado em obras de infraestrutura, preparando-se para sediar uma série de eventos e aquecendo a economia. O medo era de que faltassem engenheiros.

Com a recessão e operações como a Lava Jato, que paralisaram projetos e atingiram construtoras e fontes de financiamento, o quadro mudou de figura.

Não deixam de ser dois lados da mesma moeda – a demanda impulsionada pelo setor público –, e o cenário tende a se tornar menos sombrio conforme o país se recupera.

Marmorato explica o porquê: há uma dependência de investimentos públicos para que grandes obras aconteçam aqui, o que acaba causando ansiedade entre alunos de Engenharia que se formam em tempos de crise. Mas o aumento da demanda é questão de tempo.

Ao comparar o Brasil de hoje com aquele de seu tempo de estudante, nos anos 1990, ele vê os mesmos gargalos de infraestrutura em áreas como saneamento, transporte e habitação, entre outras, onde há muito trabalho ainda por fazer e que eventualmente terá que ser feito – especialmente por engenheiros.

“É um segmento que pode ter ciclos que demandam mais ou menos profissionais”, diz o professor. “A questão do mercado de trabalho depende mesmo da época na qual o aluno vai se inserir no mercado.”

Segundo especialistas, há hoje setores em alta que merecem atenção de engenheiros, como energia, telecomunicação e tecnologia, que investem constantemente em soluções inovadoras e na criação de processos mais eficazes – perfeito para profissionais curiosos e capazes de se adaptar.

Com crise ou sem crise, uma coisa é certa: um bom engenheiro, que se esforça constantemente para aprender mais e melhor, sempre encontra espaço no mercado.

  • Este artigo foi originalmente publicado pelo Na Prática, portal da Fundação Estudar
Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Daniel Paula

    Quem escreveu esta matéria é o mesmo que afirmava que ia faltar engenheiros no Brasil, em 2010. Nada mais FALSO do que isso.

  2. Gabriel Nunes

    Eu e diversos colegas, formados da alta (2011/2012) até hoje, estão procurando vaga no mercado. Não há. Simples assim. Criou-se uma demanda para esses profissionais, e assim que as academias atenderam, congregaram o mercado. Existe hoje um desperdício enorme de força intelectual de trabalho desses engenheiros. Quem perde é o povo e o país…

  3. Renato Carvalho

    O pior de tudo é continuar ouvindo na mídia que faltam Engenheiros no Brasil. Não faltam Engenheiros, o que falta é as empresas registrarem os profissionais com o cargo de Engenheiro e não como Analistas, Supervisores, Coordenadores, Lideres e etc. Em um cenário de profunda crise política e retração do mercado de trabalho quem esta disposto a investir tempo e dinheiro em uma graduação, pós-graduação e/ou mestrado sem ter perspectiva de que irá exercer esta profissão no mercado de trabalho? E assim continuamos sendo um pais que extrai e exporta commodities e importa tecnologia.