São Paulo - A Universidade Minerva, conhecida mundialmente por propor um modelo inovador que aboliu as aulas tradicionais, está com vagas abertas de seus cursos de graduação para jovens de todo o mundo que queiram participar do processo seletivo e ganhar bolsas de estudo.

A universidade não tem um número determinado de bolsas. Segundo Alex Aberg Cobo, diretor de Minerva para a América Latina, a proposta é bancar os estudos de qualquer aluno que não tenha condições de pagar o curso.

Além disso, neste ano, a instituição fechou parceria com a Fundação Estudar para oferecer duas bolsas integrais, que cobrem os 4 anos do curso de graduação, totalizando US$ 40 mil.

Todas as bolsas (tanto da parceria com a Fundação Estudar, quanto bancadas pela universidade) são destinadas a estudantes brasileiros que passaram pelo processo seletivo, ou seja, admitidos pela Minerva, e que comprovem que não têm condições de arcar com o valor das mensalidades.

Para concorrer às bolsas, o interessado deve fazer sua inscrição no site da universidade ou no endereço por meio da Fundação Estudar até o dia 15 de janeiro.

Processo seletivo

A seleção da Universidade Minerva é diferente em relação às tradicionais universidades americanas. Além de provas online rápidas e entrevistas objetivas, a universidade preza não apenas boas notas do aluno, como também as experiências extracurriculares.

"A gente busca alunos com ótima performance acadêmica e que tenham atividades fora da escola e estas atividades ajudem, de alguma forma, a sua comunidade", diz o Alex Aberg Cobo.

Além de bom currículo, as qualidades comportamentais, como trabalhar em equipe e ter senso de igualdade, são primordiais para conseguir uma vaga na Universidade, segundo o diretor.

A instituição ganhou fama ao apostar num modelo "revolucionário" de ensino superior praticado em todo o mundo.

Os alunos iniciam o primeiro ano na Califórnia e depois passam os outros anos em outras sete cidades ao redor do mundo, como Buenos Aires, na Argentina, e Berlim, na Alemanha.

Criada em parceria com o Keck Graduate Institute (KGI), Minerva foi fundada pelo ex-reitor das Universidades de Harvard e Stanford, Stephen Kosslyn.

Com anuidades de US$ 10 mil (aproximadamente 25% do custo das privadas instituições norte-americanas), a universidade diz que o foco é "captar os melhores alunos do mundo, independente da sua classe social".

"Por esta razão, a Minerva possui um fundo de bolsas de estudo para alunos com dificuldades financeiras”, completa Alex Aberg Cobo.

Ano passado, a universidade recebeu mais de 11 mil inscrições de candidatos de 160 países. O objetivo é chegar a 15 mil neste ano. O Brasil faz parte do top 5 de países com maior número de candidatos inscritos.

Tópicos: América Latina, Carreira jovem, Bolsas de estudo, Brasil-EUA, Ensino superior, Estados Unidos, Países ricos, Universidades