*Respondido por Diogo Arrais, professor de língua portuguesa do Damásio Educacional

Sujeitos indeterminados classificaram, no pretérito, o povo brasileiro como passivo. Em contrapartida, nos recentes protestos populares, no presente e na voz ativa, são estremecidos políticos, entidades e estádios:

AÇÃO MUDA O PAÍS (sujeito agente – verbo transitivo direto – objeto).

É preciso, pois, não confundir voz verbal passiva e passividade.
Na voz passiva, o sujeito recebe a ação:

A ordem foi recebida pelo povo.
Inocentes foram atacados pela tropa.
Vitrais foram destruídos por vândalos.

Já a passividade caracteriza-se não somente pela voz passiva, mas ainda pela voz ativa, se o verbo contiver tal sentido de passividade (o sujeito como paciente).

Após a histórica ação, políticos brasileiros receberam o recado.
Na verdade, esperamos sempre que criminosos possam receber o merecido castigo.

O brado retumbante de um povo heroico ganha novos tons, cores; harmonia de uma canção que quase foi esquecida por vozes aparentemente passivas, de uma rotina superfaturada na passividade.
O povo brasileiro não é assim; fora disfarçado por pronomes retos na Ditadura Militar; a determinação de Joões e Marias, em pleno século XXI, é capaz de emocionar qualquer análise sintática.
Ao menos por um instante, repassamos a parlamentares a nobreza da voz reflexiva:

Eu me mobilizo
Tu te mobilizas
Ele se mobiliza
Nós nos libertamos
E surge um novo verbo no Brasil.

Um abraço e até a próxima!

 

Diogo Arrais

 
 
Diogo Arrais
@diogoarrais
Professor de Língua Portuguesa – Damásio Educacional
Autor Gramatical pela Editora Saraiva

Tópicos: Dicas de Português, Gramática