*respondido por Diogo Arrais professor de língua portuguesa do Damásio Educacional

Com a vinda do Papa Francisco ao Brasil, uma polêmica voltou à tona: qual é a forma correta: “presidente” ou “presidenta”? Existem as duas formas. Sim! As duas formas são registradas pela Academia Brasileira de Letras (no Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa), pelo respeitadíssimo dicionário Houaiss, pelo Aurélio e tantos outros.

Em um concurso público, por exemplo, o candidato pode fazer uso da forma “presidenta” e não perderá nota referente à língua-padrão. Por quê? Justamente porque a grafia é secular, tem o aval da Academia, dos dicionários e do uso popular.

Apesar disso, muitos preferem o uso de “a presidente”, pelo fato de nomes de dois gêneros terminados em -ente não apresentarem flexão de gênero, finalizando-os em –a. Alguns exemplos: crente, gerente, docente, discente, servente. Para os que assim creem, o artigo definido é o bastante para a variação em gênero.

É também interessante notar a existência de “presidenta”, desde 1899, pelo dicionário de Cândido de Figueiredo:

"Presidenta, f. (neol.) mulher que preside; mulher de um presidente. (Fem. de presidente.)"

Língua é uso, povo e reflete uma série de aspectos sociais. Há, no Brasil, por questões democráticas, uma tendência ao uso do feminino de diversos termos: a “chefa”, a “gerenta”, a “presidenta”.

A chegada de uma mulher ao poder é símbolo da Democracia; talvez, por isso, o Planalto faça uso de “presidenta”, nos atos e comunicações oficiais. O uso (ratifico!) não corresponde a uma invenção de Dilma Rousseff.

Por questões eufônicas, prefiro a forma “a presidente”, assim como alguns jornalistas, escritores e autoridades. É somente uma questão sonora e pessoal.

E você? Que forma prefere? Presidente ou presidenta?
Um abraço e até a próxima!

Diogo Arrais

Diogo Arrais
@diogoarrais
Professor de Língua Portuguesa – Damásio Educacional
Autor Gramatical pela Editora Saraiva

Tópicos: Dicas de Português, Gramática