São Paulo – “Não corra nas escadas”. Quem anda de metrô já ouviu este tipo de mensagem nos alto-falantes do sistema de transporte. Afinal, todo mundo sabe que avançar muito rápido pelos degraus é arriscado. Na carreira, não é diferente quando o tema é ascensão profissional.

É preciso tempo de experiência e muito esforço para que o crescimento profissional seja duradouro, dizem especialistas. Mas, é fato, que muitas pessoas ignoram esta máxima e querem mesmo uma subida meteórica. 

Para a especialista em Geração Y, Eline Kullock, falta, sobretudo aos jovens, a noção do que é um ciclo. “A realidade deles é mais rápida.”, diz. Assim, a percepção da passagem do tempo é diferente para uma geração acostumada a fazer várias coisas simultaneamente e que cresceu com os olhos grudados em desenhos, filmes e jogos com muita ação e velocidade. 

Por isso, EXAME.com pediu aos especialistas que indicassem alguns sinais de que é hora de tirar o pé do acelerador na sua vida profissional e se preparar melhor antes de partir em busca da próxima etapa. Confira quais são:

1 Você ainda não tem os resultados do seu trabalho

Você tem a ação, mas não o resultado do projeto. Ou seja, ainda não fechou o ciclo. “Se o profissional ainda não tem a resposta de que o projeto foi bem implementado ou não, é melhor esperar fechar este ciclo”, diz Eline.

Ela explica que, sem resultados comprovados, o profissional continua sendo apenas um potencial. “Para passar desta fase ele tem que mostrar que alcançou resultado com sucesso”, diz.

2 Não vai receber bônus 

“Se o profissional não vai receber bônus, na prática, significa que não alcançou as metas”, diz Eline. Este, de acordo com ela, é um sinal claro que a empresa dá de que ainda não é hora de almejar uma posição mais alta na hierarquia corporativa. Ou seja, uma vez aquém dos objetivos, é melhor tirar o foco da ascensão e voltá-lo para o que você deve cumprir agora.

3 Começam a surgir muitas dúvidas e incertezas

De acordo com Alexandre Rangel da Alliance Coaching, os sinais de que é hora de tirar o pé do acelerador são mais comuns quando os profissionais atingem o primeiro nível de gestão. “É aí que começam a surgir os problemas”, diz.

Se competência técnica, inteligência e ambição fizeram com que o profissional se destacasse sendo promovido a coordenador ou supervisor, agora é preciso saber lidar com novas demandas.

“Aparecem as dúvidas e incertezas. Tecnicamente ele é excelente, mas não sabe lidar com a sua equipe”, diz. Este é um sinal de que é hora de se reajustar para ter sucesso na nova função, e deixar planos de ascensão em segundo plano.

4 Você tenta compensar franquezas na gestão com conhecimento técnico

Este é outro sinal para quem chegou há pouco tempo a uma posição de chefe. “Como o profissional não tem capacidade de gestão, o seu foco continua sendo técnico”, diz Rangel.

Isso resulta em disputas entre o gestor recém-promovido e os técnicos. “As pessoas começam a se sentir incomodadas porque o chefe não larga o osso, fica importunando e atrapalhando o trabalho dos técnicos”, diz Rangel.

5 As pessoas da sua equipe reclamam da sua demora em tomar decisões

Se o tempo que você leva para bater o martelo sobre determinado assunto está sendo motivo de reclamações dos seus subordinados, fique atento. 

Talvez seja hora de se preparar melhor para as demandas do primeiro cargo de gestão da sua carreira, de acordo com Alexandre Rangel.

6 Falta de comprometimento dos subordinados e alta rotatividade

“Pelo fato de continuar sendo muito técnico, o profissional não é admirado na gestão porque não ensina novas formas de trabalhar, não inspira e nem desenvolve as pessoas e, por isso, começa a ter funcionários não comprometidos”, diz Rangel.

O resultado é o aumento na rotatividade e esse fator acende a luz vermelha para o gestor de primeira viagem. O sinal é claro: pare, reflita e melhore suas capacidades de liderança antes de tentar qualquer nova promoção.

7 Tem recebido mais feedbacks negativos do que positivos

Interessados em subir alguns degraus na carreira devem não só esperar, como também ir atrás de feedbacks a seu respeito. Caso perceba que o gestor tem indicado muitos pontos de atenção é hora de parar e refletir se é mesmo hora de avançar ou é melhor se preparar melhor antes disso.

“O feedback deve ser encarado como uma oportunidade para quem quer pensar no seu desenvolvimento de carreira”, diz Eline.
Quem chegou ao primeiro nível de gestão deve ficar atento às reclamações do seu gestor direto a respeito do baixo desempenho da equipe. Segundo Rangel este é mais um sinal da necessidade de melhor preparação antes de partir para uma próxima etapa.