Onde há vagas - e bons salários - para engenheiros

São Paulo - A despeito da crise econômica, a demanda por engenheiros deve aumentar ligeiramente em 2016 em alguns setores, diz um novo levantamento publicado pela consultoria Robert Half.

Ao passo que muitas indústrias fizeram cortes e substituições de pessoal em 2015, os setores de bens de consumo, agronegócio, energia e telecomunicações precisarão ainda mais desses profissionais no ano que vem. 

A expansão de vagas nesses setores se explica, segundo o estudo, graças à criação de novas linhas de negócio para driblar os efeitos da crise. Segundo uma pesquisa anual conduzida pela PwC, 41% dos CEOs de engenharia e construção dizem que suas empresas já estão atuando em outros setores.

Na área de energia, por exemplo, abriu-se espaço para especialistas em fontes renováveis, como solar e eólica. Em supply chain, há cada vez mais demanda por profissionais bem formados e fluentes em inglês. 

As perspectivas também são animadoras no setor de vendas técnicas. De acordo com o relatório, o engenheiro mais valorizado do momento é aquele que consegue combinar conhecimentos técnicos com facilidade para relacionamento na área comercial. Em empresas de grande porte, seu salário deve aumentar 13,3%, podendo chegar a 18 mil reais por mês.

Apesar do ligeiro aumento no número de vagas para 2016 nos setores mencionados, os salários de forma geral deverão ficar estáveis - ou sofrer uma leve depreciação.

Clique nas imagens a seguir para ver as faixas salariais para 21 cargos de engenharia no Brasil, nas áreas de supply chain, projetos, vendas técnicas, indústria, serviços e infraestrutura. Além da remuneração praticada em 2015, também consta a projeção de valores para 2016.

As informações estão divididas entre empresas de pequeno e médio porte, com faturamento de até 500 milhões de reais, e companhias de grande porte, com ganho acima desse limite.

Tópicos: Carreira e Salários, Carreira, Engenharia, Engenharia civil, Engenharia de produção, Engenheiros, Mercado de trabalho, Remuneração, Salários