Como funciona o seguro-desemprego em 15 países

São Paulo – No Brasil, o teto mensal para pagamento do seguro-desemprego é de 1.542,24 reais e o valor do subsídio é calculado com base no salário do trabalhador, antes da demissão.

Funcionários demitidos sem justa causa, pescadores artesanais em período do defeso (quando a pesca fica proibida), trabalhadores resgatados em condições análogas a de escravo e profissionais com contratos de trabalho suspenso têm direito ao benefício pago pelo INSS.
É possível receber entre 3 e 5 parcelas do seguro, dependendo do tempo no emprego anterior e do histórico de solicitação do subsídio junto ao INSS.

Ou seja, por aqui o benefício é pago durante o período de 12 a 20 semanas. Bem menos do que as 104 semanas (mais de dois anos de limite máximo) de pagamento a que têm direito os desempregados da Noruega, Dinamarca ou Alemanha, por exemplo, de acordo com dados de um levantamento feito pelo Glassdoor, em 15 países.

Por outro lado, a pesquisa mostra que há países em que a vida do desempregado não é lá tão assistida pelo governo. Por exemplo, no Reino Unido, um dos países menos generosos da lista o seguro-desemprego tem valor fixo que pode ser de 66 euros ou 84 euros por semana e é pago por 26 semanas.

Confira, nas fotos, o que 14 países da Europa e os Estados Unidos estipulam como subsídio para quem perde o emprego.

Tópicos: Carreira e Salários, Carreira, Desemprego, Seguro-desemprego