Como não esquecer?

São Paulo - A sobrecarga de informações e tarefas da vida moderna pode sacrificar um recurso de extrema importância para a vida de qualquer profissional: a memória.

Mas o excesso de estímulos não é a única razão pela qual estamos ficando cada vez mais esquecidos, afirma Renato Alves, primeiro brasileiro a receber homologação oficial de Melhor Memória do Brasil pelo Guinness Book.

Em seu livro "Faça seu cérebro trabalhar por você" (Editora Gente), o campeão de memorização defende que o problema também está ligado a uma dependência cada vez maior da tecnologia, que substitui recordações naturais por artificiais.

"Quem nunca teve um HD de computador queimado com todos aqueles documentos, fotos, arquivos importantes, ou um celular sem bateria quando precisava consultar urgentemente um contato?", escreve ele no livro.

A melhor forma de reconquistar a capacidade de reter informações "organicamente" é apostar numa rotina saudável e em exercícios frequentes para o cérebro. Mas existem alguns macetes que podem facilitar esse processo.

Os chamados métodos mneumônicos são dispositivos práticos para expandir a capacidade de memorização no cotidiano. Segundo Alves, o ideal é que o método seja fácil de usar: ele não deve exigir horas de treinamento ou associações mentais acrobáticas. 

Nesta galeria, reunimos 8 técnicas simples que facilitam a memorização de fatos, nomes, datas, listas e outros elementos do dia a dia. Navegue pelos slides para conhecê-las. 

Tópicos: Carreira e Salários, Carreira, Ciência, Comportamento, Dicas de Carreira, Eficiência, Gestão, Memorização, Neurociência, Sucesso