* Escrito por Diogo Arrais, professor de Língua Portuguesa do Damásio Educacional

Nesta semana, segui firme nas minhas "andanças" pela Etimologia. Por meio da obra de Eduardo Martins e da obra de Marcelo Duarte (dois bons estudiosos da Língua!), cheguei à curiosa origem dos seguintes substantivos:

Boicote. No século 19, o capitão Charles Boycott era um administrador na Irlanda. As exigências exageradas que fazia aos empregados e àqueles com quem tinha negócios provocaram uma recusa generalizada das pessoas em trabalhar ou se relacionar com ele. O substantivo "boicote" remete a "represália praticada contra alguém".

Brechó. Trata-se de um verbete originado de "belchior". Surgiu no século XX, quando um cidadão chamado Belchior criou a primeira loja para venda de roupas e objetos de segunda mão.

Linchamento. William Lynch, de Virgínia, nos Estados Unidos, criou em 1776 um tribunal que aplicava um tipo de punição sumária - a morte por enforcamento, em geral - aos criminosos, deixando de lado as formalidades legais. A então chamada Lei de Lynch generalizou-se e hoje indica a execução, por um grupo de pessoas, de um mero suspeito de crime.

Gari. Substantivo que nasceu no Rio de Janeiro. Aleixo Gary era proprietário de uma empresa que fazia a limpeza das ruas da antiga capital federal.

Rastafári. Substantivo paroxítono finalizado em I, devidamente acentuado graficamente. No século 20, Haile Selaisse tornou-se imperador da Etiópia, mas era mais conhecido por seu título, Ras (Deus) e Tafari (o nome de sua família). Era venerado pelos negros do Oeste, que o reverenciavam como uma divindade e lutavam pela libertação da raça negra e a fundação de uma terra para seu povo na Etiópia. A crença "rastafári" foi desenvolvida pelo jamaicano Marcus Garvey, fundador do movimento.

Aprender é realmente prazeroso.
Um grande abraço, até a próxima e siga-me pelo Twitter!

Diogo Arrais
@diogoarrais
Professor de Língua Portuguesa – Damásio Educacional

Tópicos: Dicas de Português, Gramática