São Paulo – De um lado a trilha que leva a um futuro brilhante na carreira. Do outro, comportamentos que podem enterrar os planos de ascensão profissional, quando levados ao extremo por situações limite.

Se alguns profissionais já se destacam logo no início de carreira por conta do alto potencial que trazem consigo, de acordo com Roberto Santos, sócio fundador e diretor do Ateliê RH, a regra para não colocar tudo a perder é ficar atento a tendências de comportamento disfuncional. 

Identificados pelo psicólogo americano Robert Hogan, alguns dos chamados descarriladores de carreira, podem fazer com que o futuro promissor de muita gente vá por água abaixo. Confira quais são:

1 Arrogância

Recente pesquisa feita pelo Ateliê RH, com 200 executivos e profissionais de média gerência, identificou que a arrogância é o pior dos mundos para uma pessoa com grande potencial de carreira.

“Se por um lado é bom ter ambição de carreria, o risco para um profissional de alto potencial é assumir uma atitude arrogante e menosprezar a necessidade de desenvolvimento”, diz Roberto Santos.

Achando- se o melhor e o mais preparado funcionário do escritório, a pessoa não evolui porque não enxerga suas deficiências. Falta-lhe um aspecto essencial para as pessoas de sucesso: autoconhecimento estratégico. “E então este profissional não se desenvolve porque fica deitado em berço esplêndido”, diz Santos. 

2 Excesso de autocrítica

Oposta à arrogância, a autocrítica também pode ser grande vilã se exacerbada, de acordo com Santos. Na dose certa é importante para tornar o profissional mais preparado e produtivo, mas em excesso prejudica, e muito. “Trava a pessoa a ponto de ela não conseguir se desenvolver”, diz ele.

3 Temperamento explosivo

Geralmente as pessoas de alto potencial mostram paixão no trabalho. Isso é ótimo e encurta o caminho até o sucesso. Mas, atenção à intensidade.

“Pessoas muito intensas têm esse lado mais explosivo e sofrem altos e baixos”, diz Santos. Ou seja, é aquele tipo de pessoa que em um minuto está empolgadíssima e no outro parece um vulcão em erupção.

4 Ingenuidade extrema

É certo que um profissional que se destaca pelo potencial que apresenta ganha a atenção de colegas. E, no mundo corporativo, ser o centro das atenções nem sempre traz só vantagens. “Quando entra na corrida de carreira e passa a virar o foco, a ingenuidade atrapalha”, diz Santos. É que os ingênuos não mantêm radar ligado para as puxadas de tapete que podem vir a sofrer. Por isso, um pouco de desconfiança vai bem, nesses casos.

5 Cautela demais, posicionamento de menos

Se uma decisão precipitada raramente é o problema de uma pessoa muito cautelosa, a falta de posicionamento atrapalha a sua carreira. Também são profissionais que inovam muito pouco.

“Pessoas que vão de acordo com a maré e não se posicionam podem sobreviver ao mundo corporativo porque não se compromete mas tendem a ser preteridas em uma promoção porque também não aparecem”, diz Santos.