São Paulo - Aptidão natural ou habilidade adquirida. Durante muito tempo esta foi a definição clássica propagada nos quatro cantos do mundo sobre o que é talento. Ou seja, nascia-se com ele ou corria-se ferozmente atrás dele.

Mas os tempos e a velocidade das coisas mudaram. E com isso mudou-se o conceito de talento. É o que propõe Alfredo Assunção, CEO e sócio fundador da Fesa no livro Talento A Verdadeira Riqueza das Nações (Editora Scortecci).

O livro, como o próprio autor diz, tem a proposta de aconselhar executivos e a comunidade de uma maneira geral sobre a melhor forma de otimizar a utilização do talento , sobretudo no mundo corporativo. 

“É porque, comprovo que é através do mundo corporativo que o talento movimenta a economia global”, registra o autor permeando sua tese com dados estatísticos, econômicos e políticos do mundo e também do Brasil. Confira três das muitas perguntas que o autor responde sobre o tema em seu livro:

1 O que é talento?

“É a condição de se fazer necessário para uma determinada função, atividade ou realização de sonhos, próprios ou de terceiros, comprovando feitos memoráveis ou que alteraram para o bem uma condição vigente qualquer”, escreve Assunção. Quem não for necessário a uma empresa está fora. “Simples assim. Um PHD só será talento quando se fizer necessário”, escreve.

Para entender este conceito, deixe de lado os “heróis”. “Falamos de um ser humano normal dotado de vontade, com aptidão e atitude positiva para desenvolver-se usando de tecnicismos necessários para desempenhar de forma acima dos padrões normais uma determinada função”, escreve Assunção.

2 Como adquiri-lo (e mantê-lo)?

De acordo com o autor, atualizar-se é a regra de ouro quando o assunto é talento. Estar conectado com o que acontece , sobretudo na sua área de atuação, é o primeiro passo. O autor cita também que a atitude de estar para servir é muito importante para se dar bem no mundo corporativo. “Todos temos que nos servir para somar”, escreve Assunção.

Isso porque, explica, é impossível saber de tudo. “A pessoa talentosa conhece profundamente um determinado campo. Então precisa de outras talentosas que conheçam outros campos para que a soma de conhecimento possibilite a empresa criar produtos ou serviços necessários a mercados altamente demandadores por qualidade e preço”, registra.

3 Por que uma pessoa de talento pode ficar desempregada?

Porque ela se torna obsoleta, segundo Assunção. Hoje, o mundo corporativo quer profissionais que tenha ampla visão de negócio, que assumam a visão de dono do negócio, que estejam dispostos a mudar de cidade, estado ou país. 

Confira os requisitos para os programas de trainee das grandes empresas que atuam no Brasil. A grande maioria busca jovens flexíveis e adaptáveis às necessidades da empresa, prontos a viajar, alinhados com a cultura e os valores e que não hesitem em fazer as malas para morar em outra cidade. E quem não se adequa a esta realidade vai ser deixado de lado, torna-se como o autor diz, obsoleto, ultrapassado.

Tópicos: Atitude, Carreira e Salários, Carreira, Talentos