São Paulo - O primeiro dia de trabalho dura, quase sempre, apenas 8 horas. Mas, em alguns casos, pode se revelar como uma eternidade para quem tem a dura missão de se adaptar ao novo contexto. Ou um tempo muito curto para assimilar todas as informações. Pensando nisso, conversamos com especialistas de carreira para montar um passo a passo do que você deve fazer ao estrear no novo emprego. Confira: 

1 Faça a lição de casa

Antes de estrear no novo emprego, é essencial buscar informações sobre o novo contexto de trabalho. Vale saber desde qual o dress code do local até algumas questões básicas sobre valores e cultura corporativa. E, a partir deste conhecimento prévio, “demonstre no comportamento que já conhece esta cultura”, diz Fátima Motta, da F&M Consultores. 

2 Seja pontual

Não vale culpar o trânsito, nem o despertador que não cumpriu a função: no primeiro dia de emprego, “nem pense em chegar atrasado”, afirma Fátima. A primeira impressão que as pessoas terão sobre você pode dar o tom das relações por muito tempo no trabalho. 

3 Desenvolva um olhar atento

A estratégia mais eficaz para este período de adaptação ao novo emprego é observar, observar e observar. Você até pode chegar com alguma ideia da cultura da companhia e informações prévias sobre este ou aquele novo colega de trabalho, mas nem sempre estes fatos podem ser verdadeiros. “Este conhecimento é dado por uma outra pessoa que olha a empresa com os próprios olhos. Por isso, é bom conferir”, diz Mariá Giuliese, da  Lens & Minarelli. 

4 Não chegue chegando

Neste primeiro momento, tire o pé do acelerador e conheça primeiro o terreno antes de começar a fazer pequenas ou grandes revoluções. “Antes de fazer a mudança encomendada, veja bem porque estão te pedindo isso, o que está acontecendo na empresa e se há condições reais de fazê-la”, diz Mariá. Senão, você corre o risco de “pisar no pé de quem não deveria”, afirma a especialista. 

Antes de prosseguir com as dicas, veja como escolher a roupa certa para  o primeiro dia no emprego novo: 

5 Mostre-se interessado

Alguns programas de integração de empresas podem, realmente, ser puro tédio. Mas, mesmo assim, esforce-se para se interessar por tudo o que está sendo dito – apesar do contexto nem sempre favorável, as informações passadas podem ser úteis para o bom andamento da sua carreira na companhia. “Desenvolva a capacidade de ser humilde com relação a tudo que será falado”, afirma Fátima. 

6 Não compare

Não fale da empresa antiga nem para tecer elogios, nem para reclamar. “É o mesmo que falar do namorado velho para o novo”, diz a especialista. “Não fique preso ao passado”. 

7 Alinhe expectativas 

A descrição do seu novo cargo de trabalho não existe por acaso. Ele está ali exatamente para dar as coordenadas (e os limites) da sua atuação. Converse sobre eles com seu chefe e tente, já de cara, esclarecer quais as expectativas em relação ao seu trabalho. 

8 Pergunte (com moderação)


Não tema fazer perguntas, mas cuidado para não exagerar. “Tem gente que pergunta tanto que não deixa os outros trabalharem”, observa Fátima. Se forem muitas, reserve um horário na agenda do seu chefe ou colega de trabalho responsável pela integração para tirá-las.

9 Ainda não é hora para falar sobre vida pessoal

“Às vezes, para ser agradável, a pessoa começa a contar detalhes da vida pessoal”, diz Fátima. E o objetivo de se conectar pode acabar desaguando em julgamentos alheios precipitados. “Não abra informações particulares no primeiro dia. Não é ficar distante, mas sim mais próximo ao trabalho”, afirma a especialista. Aos poucos, depois que já estiver com os detalhes do terreno na palma da mão, será mais seguro abrir-se. 

10 Confie em você

Por fim, e mais essencial, confie no fato de que a sua contratação não foi por acaso. Se você está ali é porque, realmente, tem condições para encarar o tamanho do abacaxi ou pepino, como queira. Não se deixe paralisar, muito menos se subestimar. 

“Você tem que se conhecer muito bem, saber dos seus limites. Quanto mais você sabe de você, mais depressa consegue entender a empresa”, diz Mariá. “Quando me conheço bem, mais sensível sou a perceber o outro”.