São Paulo - Sem música, dizia o filósofo alemão Friedrich Nietzsche, a vida seria um erro.

Para a neurocientista Carla Tieppo, professora da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, alimentar os ouvidos é de fato um grande acerto - inclusive para a produtividade.

A música traz duas grandes vantagens: relaxa o cérebro e mexe com as emoções. Se você fizer escolhas estratégicas, pode usar esse poder para sentir o que quiser, explica Carla.

Por isso, se você busca motivação e bem-estar para começar um novo dia de trabalho, prepare os fones.

Segundo a professora, uma sessão musical de 5 a 10 minutos antes do expediente é o suficiente para reduzir o excesso de estímulos externos, combater a ansiedade e deixar a mente preparada para os compromissos do dia.

“A música atua sobre o hemisfério não-linguístico do cérebro, que costuma ser pouco exercitado na rotina”, diz Carla. “Como mexe em lugares que ficam adormecidos normalmente, o som melódico traz muito prazer para o cérebro".

O efeito de relaxamento é potencializado se você associar a música a algum exercício de respiração. Uma técnica simples sugerida pela neurocientista é expirar no dobro do tempo da inspiração: puxe o ar para dentro por 3 segundos, por exemplo, e o solte em 6.

Segundo Carla, essa forma de respirar é similar à que adquirimos durante o sono - e também é o extremo oposto do ritmo curto e frenético desencadeado pela ansiedade. “O que você diz para o seu corpo, quando aprofunda a sua respiração, é que está tudo bem”, diz.

O que ouvir?
De acordo com Artur Zular, presidente da Associação Brasileira de Medicina Psicossomática, pequenas sessões musicais pela manhã fazem grande diferença para o rendimento no trabalho, mas não existe um ritmo ou gênero ideal para o momento.

A música clássica, contudo, é uma ótima pedida para tudo que diz respeito ao bem-estar. Segundo pesquisadores da Universidade de Helsinque, na Finlândia, escutar obras eruditas com frequência diminui o risco de contrair doenças neurodegenerativas, como mal de Parkinson e demência senil.

O gênero também é o mais usado em processos terapêuticos em hospitais. “Inúmeros estudos mostram uma correlação entre a música clássica e a aceleração da melhora na saúde dos pacientes”, diz o especialista.

Se você não é o fã mais ardoroso de Mozart ou Bach, não é (tão) grave: o segredo é escutar o gênero musical de que você mais gosta. Dentro do seu estilo favorito, o ideal é priorizar o repertório mais leve e positivo possível para escutar pela manhã.

“Se você escuta uma canção de que gosta muito, são produzidas substâncias como a dopamina e a endorfina, que ajudam na motivação, na concentração e na sensação de bem-estar”, explica Zular.

Veja abaixo 10 músicas sugeridas pelo médico para começar um dia de trabalho com o pé direito. A playlist está disponível no canal de EXAME.com no Spotify. Confira:

Tópicos: Bem-estar, Carreira e Salários, Carreira, Dicas de Carreira, Indústria da música, Arte, Música, Entretenimento, Neurociência, Ciência, Produtividade, Gestão