Dólar R$ 3,27 -0,54%
Euro R$ 3,66 0,32%
SELIC 11,25% ao ano
Ibovespa -0,31% 63.886 pts
Pontos 63.886
Variação -0,31%
Maior Alta 3,37% FIBR3
Maior Baixa -2,48% CIEL3
Última atualização 29/05/2017 - 11:44 FONTE

Floripa, a Ilha do Silício, tem vagas e quer atrair mais gente

Com o segmento de tecnologia em ebulição, Florianópolis tem "importado" profissionais qualificados. Confira onde estão as oportunidades e como conseguir uma

São Paulo – Empregos, desenvolvimento acelerado de carreira e qualidade de vida. A união desses três aspectos é o que tem tornado Florianópolis um dos destinos mais atraentes do momento para profissionais, em especial, aqueles em busca de inovação.

Com o segmento de tecnologia e startups em ebulição, a cidade tem importado mão-de-obra qualificada para dar conta da expansão que vive. “Nós temos mais 900 empresas de tecnologia só em Florianópolis que, juntas, trazem um faturamento de 5,4 bilhões reais, que é quatro vezes maior do que o retorno que o turismo traz”, diz Daniel Leipnitz, presidente da Associação Catarinense de Empresas de Tecnologia (Acate).

Ao considerar o faturamento médio, o polo de Florianópolis é o terceiro maior do Brasil, com R$ 4,7 milhões por empresa. A cidade perde apenas para os polos tecnológicos de Campinas (SP) e Rio de Janeiro.

Segundo ele, a capital catarinense colhe os frutos de um trabalho que começou décadas atrás e que, hoje, tem semelhanças com o que acontece no famoso polo de tecnologia e startups nos Estados Unidos, o Vale do Silício. Aliás, o próprio apelido de Floripa é Ilha do Silício.

“Como funciona o ecossistema no Vale do Silício? São ótimas universidades, fundos de investimento, escritórios de contabilidade e de advocacia que oferecem apoio especializado e todo um ambiente que colabora para a inovação. Hoje nós temos esses atores em Florianópolis”, diz o presidente da Acate.

Ao sucesso da cidade como polo empreendedor tecnológico Leipnitz também atribui a atuação próxima de todos esses atores. As universidades estão em contato com as empresas, formulando programas e conjunto também com a Acate.

“A nossa empresa escolheu estrategicamente ficar perto da universidade”, diz Letícia Kozelinski, assessora de recursos humanos da Aurum, especializada em software para área jurídica, que decidiu estabelecer sua sede há alguns anos em Florianópolis, perto do campus da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

No entanto, a demanda por profissionais ultrapassa a oferta de formados nas instituições de ensino locais e buscar profissionais qualificados em outras cidades tem sido a solução. “Não temos formados em número suficiente por aqui”, afirma Letícia.

Na Aurum, que tem 80 funcionários e prevê fechar o ano com mais de 100, dois recém contratados vieram de fora de Florianópolis. São Paulo, Belo Horizonte e Rio de Janeiro são as cidades de origem mais frequentes.

Na Resultados Digitais, empresa de marketing digital que também está em Florianópolis, pouco mais da metade (51%) dos funcionários não é da cidade. “A gente traz mais gente de São Paulo, Belo Horizonte e de cidades do Rio Grande do Sul”, diz Marília Tossetto, gerente de talentos da empresa.

A proporção de forasteiros na Resultados Digitais pode crescer ainda mais já que a previsão é de outras 250 contratações até o fim do ano. A expansão do quadro não deve parar por aí. “Em três anos vamos passar de 1,4 mil funcionários”, diz Marília.

As áreas de trabalho mais promissoras

É claro que num polo de tecnologia as vagas nas áreas de TI existem em maior número. Na Aurum, por exemplo, programadores são os profissionais mais “importados”.

Na Resultados Digitais, os cargos com mais oportunidades são content marketer, growth hacker, customer success manager, user experience designer (UX), software engineer, data scientist e product managers.

E, se os nomes dos cargos são sempre em inglês, já dá para ter uma ideia da importância do conhecimento do idioma para o trabalho. “A gente acompanha muito o que acontece no Vale do Silício e, se o profissional não sabe inglês, acaba se privando de ter acesso a muito conteúdo”, diz.

Mas, candidatos que ainda não são fluentes não precisam desanimar. A empresa dá uma forcinha para seus funcionários ficarem afiados no idioma promovendo grupos de conversação e aulas de inglês.

De acordo com Marília, há bastante espaço para pessoas de nível sênior que estejam com vontade de aprender e compartilhar conhecimento. “Experiência de mercado é algo valioso”, diz.

Profissionais também encontram boas oportunidades fora da área de tecnologia, nas chamadas áreas de apoio do negócio garante o presidente da Acate, Daniel Leipnitz. “Precisa-se de gente em todas as áreas e em todos os níveis. Existem diversas vagas na área financeira, de atendimento, recursos humanos, entre outras”, diz ele.

Onde encontrar as vagas de emprego

Interessados em migrar para Florianópolis podem ficar de olho nas atividades da Acate, diz Leipnitz. “A gente recomenda que os profissionais comecem a se inteirar de quais são as empresas que estão no nosso polo e acompanhar as notícias relacionadas”, diz.

No site da associação, é possível conferir vagas de emprego não só em Florianópolis, mas também em todo o estado de Santa Catarina, e também cadastrar o currículo.

Visitar os próprios sites das empresas também é indicado. A Resultados Digitais, por exemplo, está com várias vagas anunciadas no seu site, na área Trabalhe Conosco.

As oportunidades na Aurum são anunciadas pelo LinkedIn e também em plataformas e sites específicos para área de tecnologia, como o brasileiro Geek Hunter e o “gringo” Hacker Rank.

Os dois funcionam de forma bastante semelhante para conectar desenvolvedores e programadores e empresas: além do cadastro os profissionais podem provar suas habilidades por meio de testes online.

Por que morar e trabalhar em Florianópolis

Convencer profissionais a se mudar para Florianópolis não é tarefa difícil, garante os três consultados por EXAME.com.

Além da efervescência dos empregos, para quem é de grandes cidades como São Paulo (SP) e Rio de Janeiro (RJ) a qualidade de vida é um dos principais fatores de convencimento.

Floripa é a capital com maior percentual de adultos que fazem exercício físico regularmente (44%) do Brasil e também com o maior percentual (30%) de consumidores de frutas e hortaliças pelo menos 5 dias na semana, segundo pesquisa da Vigitel.

Por já ter muita gente de fora, a diversidade é uma marca da cidade, segundo Marília, da Resultados Digitais. “As pessoas se sentem bem recebidas na cidade e na empresa”, diz ela, com conhecimento de causa, pois não é de Floripa e, sim, do interior do Rio de Grande do Sul.

“É uma cidade que entrega o que promete”, diz Letícia, da Aurum. Ao mesmo tempo em que é possível sair do trabalho e andar na praia, a vida cultural também evoluiu bastante, segundo ela, que é do Paraná, mas se mudou para a capital catarinense para fazer faculdade.

De acordo com ela, é uma cidade pequena, perto de 500 mil habitantes, mas com oportunidades do calibre de grandes metrópoles brasileiras. “O único ponto crítico é o trânsito que é carregado”, diz.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Elson Fernando

    PIADA. Todo mundo da área sabe que Floripa é uma piada em termos salariais. Vão ficar sem gente pra sempre se não mudarem a mentalidade das empresas por lá. Pq Curitiba é logo ali e paga o triplo!

  2. Rodrigo Saraiva

    Acho engraçado o presidente da ACATE fazer declarações sobre isso, sendo que as empresas associadas da mesma formam um cartel, onde não se contratam funcionários umas das outras para manter o nível salarial mais baixo. Além disso as grandes empresas de TI da ilha travam as negociações dos valores de dissídios, como aconteceu comigo durante 3 anos. Trabalhei em TI por 4 anos em Florianópolis.

  3. Trabalho como programador moro em floripa, vim de Curitiba, para ganhar menos que a metade do meu salario, passei por 2 empresas que gostaria não ter nascido, fora o salario ser mto baixo a mentalidade das empresas que passei era pior que escrava, quase em depressão pela decisão que tinha tomado na minha vida, larguei as empresas daqui e arrumei um home office de uma empresa de SP foi oq me fez ficar aqui em Floripa por mais um tempo, gosto de morar aqui, mas se precisar trabalhar para as empresas daqui é complicado vai de cada um, cuidado com matérias tendenciosas que te vende a ideia que morar aqui é só alegria e vale a pena ganhar pouco

  4. Com salário muito baixo, querem enganar quem? Tem é muita gente de TI saindo de Floripa porque o salário está horrível.

  5. Tiago Luiz Dos Santos

    Verdades sobre Florianópolis, por um manézinho

    1. Salários em sua grande maioria são baixíssimos. Custo de vida pra uma pessoa que busca dignidade em Floripa não fica por menos de R$ 5.000. Se tem família com 2 filhos, R$ 20.000 pra renda familiar (vivendo de aluguel).

    Qualidade de vida é muito relativa. Moro em um bairro bom, mas é no continente (Coqueiros), a água é poluída e o trânsito é tão ruim que é praticamente inviável ir a praia durante o verão por conta do trânsito. A qualidade dos turistas diminui também drasticamente, sendo que se vê muito lixo pelo chão e turistas que fazem baderna pois acham que a ilha é um grande Beach Club, incluindo na parte Continental.

    Qualidade de vida não existe mais, sendo que só fui encontrar a mesma qualidade de vida quando fui passar duas temporadas na Europa.

    A verdade é que a única coisa que faz com que eu e minha família fiquemos em Florianópolis (sendo que somos considerados manézinhos de raíz) é pq cada um possui seu próprio negócio. Minha dica: querem vir para Floripa e viver uma vida digna?

    – Se você não tem família por aqui (irmãos, pais, tios), não venha por menos de R$ 6.000. Isso é o suficiente para “viver na estica”. Porém é muito dificil encontrar algo acima de R$ 4.000. Meu pai tem décadas de carreira, é gerente de um setor muito importante de uma grande fundação e seu salário é (pasmem!) R$ 7.000. Se não fosse minha mãe ter um negócio próprio, assim como minhas irmãs e eu. Seria impossível vivermos no mesmo padrão que vivemos – sendo que dividimos tudo (sou solteiro) e somos em 4 e ainda assim as vezes é preciso “regular” o orçamento (que fica em torno de R$ 25.000 Mês).

    Existe sim um crescimento de vagas de emprego e uma necessidade por pessoas. Porém, se você vier para cá ganhando até R$ 4.000, vai viver no limite. Se tiver família, pode ou esposa, pode esquecer…

    A segunda opção é vir e abrir um negócio. De fato, isto é a única coisa que faz eu e minha família ficarmos aqui, sendo que já se discute a possibilidade de se mudar de Floripa por conta da queda da qualidade de vida.

    É duro gente, mas é verdade. Não se iludam… Não estamos mais em 1999.

    1. rafael garcia

      Cara muito bom o seu comentário, obrigado por compartilhar o seu ponto de vista, com certeza vai ajudar não só a mim mas também a muitas pessoas que pensam e migrar pra floripa.

  6. Fabio Mont Alegre

    O engraçado é que dividindo o que SC diz que lucra com TI pelo número de programadores, daria uma média salarial de uns 13 mil, sendo que a média é de 3 mil, abaixo da média salarial brasileira e muitas vezes abaixo do menor salário praticado pela profissão em todo território nacional. Moro aqui mas graças a deux trabalho remoto e ganho 6x o que me ofereceram aqui. Não é o dobro, nem o triplo. É 6x mais.