De onde vem a palavra soteropolitano? Professor responde

Por que quem nasce em Salvador é chamado de soteropolitano? Professor Diogo Arrais explica

Você sabe o significado da palavra “gentílico”? Diz-se do adjetivo que designa povo ou nação. Por exemplo, quem nasce na cidade mineira Três Corações é tricordiano (o prefixo tri indica três; cordiano indica coração).

Outra curiosidade: quem nasce em Salvador é soteropolitano. Essa forma adjetiva provém de Soterópolis – uma antiga cidade grega, erigida por seu imperador chamado Sotero.

Sotero, em latim, é mesmo que Salvador. O gentílico salvadorense, apesar de registrado nos principais dicionários brasileiros, não tem uso no dia a dia.

Na semana passada, tive o prazer de estar em Boa Vista. Logo no início da aula, questionei: quem aqui nasce é “boa vistense”, “boavistense” ou “boavistanense”? A reposta foi: nenhuma das três formas.

De acordo com a norma gramatical, os gentílicos advindos de nomes compostos devem fazer o uso de hífen. Assim sendo, de – ou pertencente ou relativo a Boa Vista – capital do Estado de Roraima é “boa-vistense” ou “boa-vistanense”.

Há, no entanto, um questionamento pertinente: isso é uma mudança prevista pelo Novo Acordo Ortográfico? Não. a grafia dos gentílicos (os também chamados adjetivos pátrios) não sofreu alteração: sul-mato-grossense; norte-americano, sul-africano, sul-americano, juiz-forano, rio-antense, porto-alegrense-do-tocantins.

Ademais, seguem o mesmo fluxo ortográfico as formas adjetivas afro, anglo, euro, franco, indo, luso, sino e assemelhadas. Daí, veem-se: afro-brasileiro, anglo-saxão, ibero-americano, euro-asiático, luso-brasileiro.

Vejamos um trecho do Manual de Comunicação do Senado:

“Durante seu mandato, o senador Abdias Nascimento apresentou vários projetos com objetivo de combater o racismo e buscar reparação à população afrodescendente. Também participou das primeiras articulações para criação de uma frente parlamentar afro-brasileira.”

A palavra afrodescendente não foi hifenizada porque é não é pátria; afro-brasileira, sim, é pátria, é gentílica. Por isso, o uso do famoso sinal em nossa Língua Portuguesa.
Um abraço, até a próxima e siga-me pelo Twitter!

Diogo Arrais
@diogoarrais
Professor de Língua Portuguesa – CPJUR – portalcpjur.com.br
Autor Gramatical pela Editora Saraiva

 

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s