Dólar R$ 3,27 -0,54%
Euro R$ 3,65 0,07%
SELIC 11,25% ao ano
Ibovespa 1,36% 64.085 pts
Pontos 64.085
Variação 1,36%
Maior Alta 4,89% RADL3
Maior Baixa -6,09% JBSS3
Última atualização 26/05/2017 - 17:20 FONTE

Como foram selecionados os voluntários das Olimpíadas 2016

Comitê Organizador das Olimpíadas 2016 criou um dos maiores programas de seleção de pessoas do país

Não é exagero afirmar que, depois dos próprios atletas, os voluntários são a alma dos Jogos Olímpicos. Cerca de 50 000 pessoas – entre brasileiros e estrangeiros –, sendo 35 000 nas Olimpíadas e 15 000 nas Paralimpíadas, atuarão nos dois eventos, entre agosto e setembro. “Os voluntários representam mais de 30% da nossa força de trabalho”, diz Henrique Gonzalez, diretor de RH do Rio 2016. São mais de 500 funções diferentes, desde recepcionar autoridades em aeroportos até orientar o público sobre seus lugares na arena. 

Para angariar esse contingente, foi montada uma operação de guerra em recrutamento e seleção. O desafio inicial era atrair 300 000 pessoas para a pré-seleção, feita por um teste online. Depois, 75 000 foram escolhidas para entrevistas presenciais, para chegar, então, às 50 000 finalistas. 

Leia mais

Romantizar a carreira pode nos fazer mais felizes

Como é trabalhar no Fórum Econômico Mundial

O que pessoas bem-sucedidas aprenderam com seus erros

Atualmente, os profissionais participam dos primeiros eventos-testes, como são chamados os ensaios para os jogos nos locais de competição. Eles também estão sendo treinados em salas sensoriais (como nesta da foto, para simular dificuldades de um atleta ou visitante com deficiência) e cursando aulas de inglês na internet. No total, o Comitê Organizador estima oferecer 1 355 000 horas de treinamento. 

“Estamos lidando com profissionais que não se motivam com chefes no estilo ordem e comando, e muito menos com estrutura hierárquica”, diz Henrique. É o caso da advogada Marinilza Almeida, 47 anos, que se candidatou como voluntária ao lado da filha e foi escalada para trabalhar como receptora de uma delegação internacional. “Não quero ser apenas espectadora, quero fazer parte da história”, diz Marinilza. Se depender do nível de engajamento desse pessoal, a festa já está garantida.

Esta matéria foi publicada originalmente na edição 213 da revista Você S/A com o título “Engajados Na Causa”

Você S/A | Edição 213 | Abril de 2016 

Assine