Como é trabalhar na McKinsey (que busca jovens de qualquer curso)

Maior consultoria do mundo recruta universitários e tecnólogos de todos os cursos para o McKinsey Impact Experience. Cinco jovens contam como é o dia a dia

São Paulo – Começam hoje as inscrições do McKinsey Impact Experience, programa que quer atrair jovens talentos para trabalhar no escritório de São Paulo da consultoria estratégica, que a maior do mundo.

Universitários e tecnólogos regularmente matriculados em qualquer graduação podem participar do processo seletivo, que encerra inscrições no dia 13 de agosto. Apenas uma das etapas online é em inglês (e por escrito). Todas as outras, inclusive a fase de apresentações, serão em português.

A ideia é que durante todo o processo os jovens experimentem como é o trabalho na empresa, façam treinamentos online e participem sessões presenciais. Até mentoria dos sócios da McKinsey, os participantes terão. Os custos de viagem e estada para os jovens de fora de São Paulo serão cobertos pela consultoria.

Quem se destacar já vai pular etapas do processo de admissão para o cargo de analista de negócios (BA – sigla para business analyst). O McKinsey Impact Experience foi criado e é liderado por jovens BAs, como são chamados por lá.

Apesar de a iniciativa não ser uma competição de cases de negócios em seus moldes mais tradicionais, uma das etapas da seleção conta com a solução de um problema real de uma ONG, nunca resolvido antes.

“A gente incluiu o máximo possível de coisas que gostamos na McKinsey para que os participantes realmente tenham uma experiência real do que é trabalhar lá”, conta Natália Camargo, BA da McKinsey. Serão selecionados três projetos cujas equipes criadoras vão participar de um fórum para CEOs promovido pela consultoria.

A equipe vencedora irá pular todas as etapas do processo de admissão e vai direto à fase final de entrevistas. Os vencedores terão ainda a chance de participar da implementação das soluções propostas durante a competição.

Mas, não é só isso: os integrantes das três melhores equipes serão convidados a jantar com o CEO da McKinsey na América Latina, Nicola Calicchio, e vão ter a chance de participar de treinamentos presenciais. ​

A seguir, veja o que dizem cinco analistas de negócios (BAs) da McKinsey sobre como é trabalhar na consultoria e quais as dicas para quem vai se inscrever no programa:

Bruna Del Negro

Bruna Del Negro: “conheci pessoas incríveis, que compartilham os mesmos valores que eu e sempre estão dispostas a ajudar” (arquivo pessoal/Divulgação)

O que faz?
“Analista de negócios (BA) na McKinsey. Entrei em 2015 como estagiária e, desde o ano passado, atuo como BA. Nesses dois anos, trabalhei em 10 projetos, nos setores de saúde, varejo, bens de consumo, seguros e automobilístico”.

O que mais a impressionou na empresa?
“O que me impressionou ao chegar e me impressiona até hoje é como as pessoas são inspiradoras. Desde o primeiro dia, conheci pessoas incríveis, que compartilham os mesmos valores que eu e sempre estão dispostas a ajudar. ”

Como é dia-a-dia de trabalho?
“Totalmente dinâmico e sem rotina. Faço análises e modelos no Excel, apresentações em Power Point, apresentações para CEOs, reuniões com sócios da McKinsey. Posso estar em São Paulo ou em qualquer outro lugar do Brasil”.

Que fase do processo seletivo achou mais desafiadora?
“As entrevistas de caso. Tinha dificuldade de trazer ideias porque sentia que me faltava senso de negócios Hoje, olhando para trás, vejo que não é nenhum bicho de sete cabeças. Preparando-se, usando o bom senso e sendo original, todo mundo pode ir bem”

O que diria para quem pretende se inscrever no McKinsey Impact Experience?
“Aproveite a experiência de forma completa. Tire dúvidas sobre o processo, o dia-a-dia na consultoria, conheça melhor as pessoas e, claro, divirta-se! ”

Vito Macedo

Vito Macedo: “As pessoas sempre têm tempo para explicar algo que você não esteja entendendo” (arquivo pessoal/Divulgação)

O que faz?
“Estou no 2º ano como analista de negócios (BA). Entrei na McKinsey como estagiário e, após o programa de estágio, recebi a oferta para me tornar BA. ”

O que mais o impressionou na empresa?
“A preocupação genuína das pessoas com meu desenvolvimento pessoal e profissional. Desde o primeiro dia, recebi coaching e dicas tanto das pessoas mais sêniores quanto de sócios e associados. As pessoas sempre têm tempo para explicar algo que você não esteja entendendo ou ajudar você a solucionar/estruturar algum dos desafios enfrentados pelos nossos clientes. Acho que esse ponto está muito relacionado a outro aspecto que me impressionou bastante dentro da McKinsey: as pessoas são viciadas em resolver problemas! É impressionante como todas as pessoas aqui estão empenhadas em resolver qualquer tipo de problema e, claro, sempre com diversão. ”

Como é seu dia-a-dia de trabalho?
“A palavra que mais bem define é aprendizado. Meu dia geralmente começa com reuniões de alinhamento das principais ações para o dia/semana, reuniões com o cliente para entender, extrair percepções ou construir juntos a solução do problema que estamos tentando resolver. No fim do dia, checo no que conseguimos avançar e verifico os próximos passo para o outro dia. Depois disso, jantar com algum amigo ou corridinha. ”

Que fase do processo seletivo achou mais desafiadora?
“Achei a 1ª fase, de entrevistas, bem desafiadora. Foi a primeira vez que fiz um case para valer (eu sabia como era e já havia treinado, mas nunca em um processo seletivo). O que me ajudou muito é o fato de as entrevistas da McKinsey também serem uma ótima oportunidade de desenvolvimento – e meus entrevistadores deixaram isso claro. Lógico que fiquei nervoso, mas como as entrevistas pareciam mais conversas eu fui ficando mais tranquilo e focando em responder o que era perguntado”

O que diria para quem pretende se inscrever no McKinsey Impact Experience?
“Divirta-se e aproveite a oportunidade para entender um pouco mais sobre o trabalho da McKinsey, conhecer pessoas e refletir se você acredita que esse é o tipo de impacto que você deseja trazer para a sociedade”.

Rodolfo Pelitz

Rodolfo Pelitz: “A McKinsey proporciona uma experiência ímpar de aprendizado acelerado” (arquivo pessoal/Divulgação)

O que faz?
“Estou no meu terceiro ano fora como coordenador da área de operações e finanças no Masp. Antes, era consultor digital da McKinsey”

O que mais o impressionou na empresa?
“A quantidade e qualidade dos recursos de apoio. Você tem toda ajuda para desempenhar suas funções ao máximo do seu potencial. ”

Como é seu dia-a-dia de trabalho?
“Muito dinâmico e produtivo, revezando entre reuniões com o cliente, pesquisa, discussão de ideias com o time e produção de apresentações. ”

Que fase do processo seletivo achou mais desafiadora?
“Entrevista com os sócios. Por mais que o tipo de entrevista seja parecido com as demais, sempre tem um nervosismo extra porse tratar de um sócio. A dica é treinar bastante para não ter erro na hora H.”

O que diria para quem pretende se inscrever no McKinsey Impact Experience?
“A McKinsey proporciona uma experiência ímpar de aprendizado acelerado! Aqui dentro você vai crescer muito pessoal e profissionalmente.”

Natália Camargo

Natália Camargo: “Consultoria é um trabalho demandante, mas ao mesmo tempo eu acho muito recompensador “ (arquivo pessoal/Thinkstock)

O que faz?
“Estou na McKinsey há 3 anos e meio. Sou engenheira naval formada pela Poli -USP, comecei como estagiária e fiz os dois anos do programa de BA. Atualmente estou no meio do meu programa de três ano, então saí um pouco da vida de projetos com clientes e estou trabalhando na estratégia interna da firma, diretamente com o nosso presidente para a América Latina.”

O que mais a impressionou na empresa?
“O conhecimento acumulado e a conectividade da firma. Como analista, a gente está sempre trabalhando com temas e indústrias diferentes e, na maioria das vezes – para não dizer todas -, os analistas não sabem absolutamente nada daquela área antes de começar o projeto. Mas quando pensamos na McKinsey como um todo, é impressionante a quantidade de projetos e temas com os quais alguém na firma já trabalhou, então sempre tem algum material para te ajudar no início de um projeto e alguém em algum lugar do mundo que já fez isso e pode te ensinar o caminho das pedras. ”

Como é dia-a-dia de trabalho?
“Dinâmico e intenso. Consultoria é um trabalho demandante, mas ao mesmo tempo eu acho muito recompensador – a gente aprende muito durante os projetos. Rotina não faz parte da realidade com certeza, cada projeto é bem diferente do outro. É difícil descrever um dia típico, mas os componentes mais comuns são: muito contato com o cliente, nos mais diversos níveis de hierarquia; reuniões com o time para discutir análises a serem feitas, resultados e implicações; desenvolvimento das análises de fato e apresentações. ”

Que fase do processo seletivo achou mais desafiadora?
“Acho que a primeira entrevista foi a mais difícil para mim. Eu havia participado recentemente de uma entrevista em uma outra empresa e a experiência não foi muito agradável, então estava um pouco traumatizada e, consequentemente, muito nervosa. Mas deu tudo certo! Os entrevistadores na McKinsey me trataram super bem, fizeram com que eu me sentisse bem à vontade e tranquila para conseguir dar o meu melhor durante todas as etapas.”

O que diria para quem pretende se inscrever no McKinsey Impact Experience?
“Só vem! Eu fiz várias competições de caso durante a faculdade, sempre gostei muito desse tipo de atividade – é uma oportunidade ótima para você testar se consultoria é algo que você gosta. Mas o McKinsey Impact Experience vai muito além disso”

Monique Freitas

Monique Freitas: “O dia-a-dia varia bastante de acordo com o projeto” (foto/Divulgação)

O que faz?
“ Sou uma analista de negócios no escritório de São Paulo prestes a iniciar meu terceiro ano”

O que mais a impressionou ao chegar à McKinsey?
“O ambiente de aprendizado contínuo, com pessoas brilhantes discutindo temas à exaustão para garantir as melhores recomendações aos clientes.”

Como é seu dia-a-dia de trabalho?
“Muito dinâmico. É até difícil utilizar a palavra rotina. O dia-a-dia varia bastante de acordo com o projeto, mas compreende momentos de análise, interação com o cliente e com o time. ”

Que fase do processo seletivo achou mais desafiadora?
“A preparação para entrevistas de case, apesar de bastante divertida, exigiu que eu aprendesse como resolver casos de negócio. Como tenho formação em Ciências Físicas e Biomoleculares, precisei aprender vários conceitos novos e a me estruturar bem.”

O que diria para quem pretende se inscrever no McKinsey Impact Experience?
“Aproveitem a oportunidade para experimentar um pouco do mundo único da McKinsey e estejam abertos para aprender bastante!”

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. A ideia é bastante interessante, achei Seu web site sem querer ao pesquisar
    sobre isto o assunto na internet. Afinal que Bom
    que achei, meus parabéns! :-) http://dgamitratama.com/halkomentar-148-vertilo-22344.html