Dólar R$ 3,28 0,12%
Euro R$ 3,67 0,13%
SELIC 11,25% ao ano
Ibovespa -0,05% 63.227 pts
Pontos 63.227
Variação -0,05%
Maior Alta 22,54% JBSS3
Maior Baixa -4,09% CYRE3
Última atualização 25/05/2017 - 17:21 FONTE

Bastante ou bastantes: quando usar

Reinaldo Passadori, especialista em comunicação, explica as diferenças entre os dois termos e ensina um macete para nunca errar na hora de usá-los

Escrito por Reinaldo Passadori, do Instituto Passadori – Educação Corporativa

O uso do termo “bastante” no singular é tão praticado pelos falantes do português brasileiro que nem nos damos conta de quantas vezes por dia o ouvimos.Quem nunca se sentiu em uma encruzilhada, sem saber quando é correto usar “bastante” ou “bastantes”?

A palavra “bastante” pode assumir formas diferentes de acordo com seu uso. Ela pode ser advérbio de intensidade significando “muito”, sendo esse seu uso mais comum, e nesse caso ser invariável, ou seja, só é admitida para essa função a forma singular. Nesse caso a palavra deve estar ligada a um verbo, advérbio ou adjetivo, como por exemplo, em “Eles comem bastante” e “Elas são bastante queridas”.

Como adjetivo, a palavra “bastante” é variável, indicando “suficiente”, devendo vir na frase logo após um substantivo com que deve concordar. Neste caso, podemos citar como exemplo “Já há bastantes quadros na sala”.

A palavra “bastante” também pode assumir a função de pronome indefinido, expressando qualidades ou quantidades indefinidas, aparecendo na frase antes de um substantivo com o qual concorda em número. Como exemplo dessa função, temos frases como: “Bastantes bancos aumentaram as taxas administrativas”, “Ela tem bastantes amigos” e “Vimos bastantes produtos no mercado”. Porém, essa função não é de uso recorrente em nossa língua.

Mas, em todos os casos o uso da palavra “muito” é admitido e, para não errar, basta prestar atenção nas variações. Se “muito” sofrer variações, ele é adjetivo e concordará sempre com o substantivo devendo ser utilizada a forma “bastantes”. Se não sofrer variações ele é advérbio, portanto, invariável devendo permanecer na forma singular “bastante”.
 

 

*Reinaldo Passadori é presidente e fundador do Instituto Passadori – Educação Corporativa