7 modismos que todo mundo deve evitar na língua portuguesa

Professor Reinaldo Passadori dá exemplos de expressões em português que se transformaram em modismos linguísticos e devem ser evitadas

São Paulo – Recebemos um turbilhão de notícias diariamente. Incluindo a informação para ser absorvida e muitas outras, que mais nos consomem do que nos agregam algo útil. Conteúdo destinado para o consumo, mas que muitas vezes nos consome.

O modismo toma conta não só do universo fonográfico e do mundo da moda, mas também de toda esfera midiática. Por tal motivo, ficamos alheios ao empobrecimento gramatical e linguístico. Nem o mais conceituado estudioso estará imune a cair nas entranhas do modismo linguístico.

“Assaltaram a gramática
Assassinaram a lógica
Meteram poesia, na bagunça do dia a dia
Sequestraram a fonética
Violentaram a métrica”
(Os Paralamas do Sucesso)

Fique atento antes de cair na graça. Sim, porque falar ou escrever de maneira não usual virou “gracinha” e se você não se policia acaba se tornando alvo nessa armadilha.

Quantas vezes já ouvimos alguém exprimir com propriedade sua suposta intelectualidade soltando um “bonito” e sonoro A NÍVEL DE? Confesso que, para mim, isso já tinha sido resolvido, mas para nossa surpresa não! O termo é ainda usado e com frequência.

Abaixo, alguns exemplos que não devem ser seguidos:

“A nível de capital, a Grécia está praticamente falida.”

“… a nível de reconhecimento de nossos clientes atingimos nosso objetivo, mas em nível de receita, não atingimos a meta”.

As frases acima têm um significado semelhante ao de outras locuções como “em âmbito” ou “em termos de status”. No entanto, para ficar mais claro, vale usar outras construções como “em relação a” ou “em termos de”. 

Outro campeão disparado é o gerundismo. Ah… o gerúndio! Caiu no gosto popular, a moda pegou “mas vamos estar acostumando” porque os anos passam, porém ele é resistente, persistente e fica!

O gerúndio acontece com o que está em movimento, está em curso, um processo que tem certa duração. Exemplo: “Na próxima quarta, quando você estiver viajando, eu estarei preparando as palestras”.

A formação acima está correta para expressões que mostram uma ação a ser praticada no futuro e que deverá ocorrer simultaneamente a outra, também no futuro.

Seria gerundismo se disséssemos:

“Na próxima quarta, quando você estiver viajando, eu vou estar preparando as palestras”.

Vejamos outros modismos linguísticos que habitam muitos textos e atormentam nossos ouvidos. São eles:

– Semana que vem vamos restartar os nossos projetos.

– Tudo ficou ainda mais crítico com a desalavancagem das vendas.

– O governo ainda não sinalizou uma nova emenda. Continua tudo como estava.

– O bombeiro ainda contabiliza os feridos.

– A tragédia deixou o saldo de vinte e quatro vítimas.


Termino então este artigo chamando a atenção para os prejuízos de um hábito que empobrece nossa gramática. Até a próxima!

* Texto atualizado no dia 5 de março às 11h40 por questões editoriais. 

Reinaldo Passadori – Professor e CEO do Instituto Passadori, especialista em Desenvolvimento Humano e Comunicação Verbal. É autor dos livros: “Comunicação Essencial – Estratégias Eficazes para Encantar seus Ouvintes”, “As 7 Dimensões da Comunicação Verbal”; “Media Training – Comunicação Eficaz com a imprensa e a Sociedade” – (Editora Gente) e “Quem não Comunica não lidera” – (Editora Atlas).