Dólar R$ 3,27 -0,31%
Euro R$ 3,65 -0,19%
SELIC 11,25% ao ano
Ibovespa 0,70% 63.103 pts
Pontos 63.103
Variação 0,70%
Maior Alta 3,10% BBAS3
Maior Baixa -2,75% JBSS3
Última atualização 24/05/2017 - 10:24 FONTE

7 dicas para vender uma ideia no trabalho

Quer tornar uma proposta imbatível? Especialistas mostram quais as estratégias para conseguir a aprovação de um projeto

São Paulo – Uma olhadela rápida nos anúncios de emprego é suficiente para perceber qual é o perfil profissional queridinho das empresas. Todas, sem exceção, querem profissionais capazes de materializar, em termos práticos, o conceito de inovação.

Mas entre uma personalidade criativa e a aprovação do projeto final há um longo percurso. Para que a ideia vá além de alguns rabiscos no papel, é preciso submetê-la a uma bateria de aprovações.

Em outras palavras, não vale chegar na sala de reuniões sem uma proposta capaz de manter-se de pé mesmo diante de uma porção de vaias, tomates ou simples contra argumentos. É preciso se preparar tanto na elaboração da ideia quanto no preparo para vendê-la de um jeito instigante.

Pensando nisso, EXAME.com consultou profissionais e especialistas de diferentes áreas para saber quais as melhores estratégias para transformar uma ideia em uma proposta imbatível.

1. Brainstorm não é tudo
Antes de partir para a sala do chefe com uma porção de projetos na cabeça, vale a pena submeter sua ideia a uma prova de choque.

“Uma ideia parte de um contexto estudado e evolui para um pensamento bem fundamentado”, diz Rita Almeida, diretora da agência de branding CO.R Inovação.

Isso significa que não vale passar para frente propostas etéreas e sem um alicerce sólido.  “A ideia tem que amadurecer”, diz Marcel Camargo, gerente comercial da BNCorp.

Por isso, antes de qualquer outra ação, pergunte-se: essa proposta realmente é digna de compartilhamento?Em que medida ela atende aos desejos do seu público alvo? Ela realmente trará benefícios para empresa? Quais seriam os caminhos para tirá-la do papel? Eles são viáveis?

2. Acerte o tempo
É nesse momento que você também deve checar se sua proposta está dentro ( ou não) das necessidades de sua época.

“Muitas ideias morrem porque foram compartilhadas no tempo errado”, diz o especialista Anderson Cavalcante. “Seja por estarem à frente do seu próprio tempo ou atrasadas”.


Ele sentiu isso na pele na editora em que trabalha. “Fomos os primeiros a lançar um livro de gestão corporativa. Demorou um ano para que ele começasse a ser vendido”, lembra. “Foi o custo do pioneirismo”.

3. Faça pré-testes
Um meio para descobrir se a ideia está no ponto para sair do papel é compartilhá-la com pessoas próximas – e confiáveis. “A questão é experimentar mesmo”, diz Cavalcante. “Checar se a proposta terá eco”.

Feito isso, mapeie quais são as pessoas chave para receber sua ideia e passá-la para frente. Dedique um tempo para entendê-las.

Faça um pente fino nas ideias, antes enviá-las para frente (Zsuzsanna Kilian/ stock.xchng)

“Todas as pessoas agem segundo motivações pessoais ou profissionais”, afirma Eduardo Ferraz, autor do livro Por que a gente é do jeito que a gente é? (Editora Gente).

“Por isso, para vender uma ideia, um aspirador de pó ou mesmo os conceitos de uma palestra, é preciso saber o que motiva as pessoas”.

4. Prepare o caminho e lance os fundamentos
É com base nesse agente propulsor da motivação que você deve definir a lógica argumentativa da sua proposta.
 

“O que vai dar credibilidade é a fundamentação”, diz Ferraz.

Dois meses. Esse foi o tempo que Marcel Camargo, gerente comercial da BNCorp, levou para elaborar os fundamentos de uma nova proposta de negócios para a empresa em que trabalha.

A ideia era utilizar o conceito de Retrofit em um novo empreendimento no Rio de Janeiro.

“Já havíamos feito isso com muito sucesso no passado”, lembra. Mesmo assim, ele arregaçou as mangas para refrescar a memória do departamento.

Os 60 dias em que se dedicou para amadurecer a ideia foram divididos entre viagens para o Rio de Janeiro, pesquisas de mercado, coleta de informações e elaboração de um roteiro argumentativo. Com todo esse contexto em mãos, ele partiu para a sala de reuniões.

Não deu outra. Antes mesmo da conclusão do empreendimento, todas as salas já estavam alugadas ou vendidas.

5. Tenha foco
Por mais profunda que tenha sido a sua pesquisa, não é preciso esmiuçar cada detalhe na apresentação.


“Muita gente pensa que é preciso colocar tudo na apresentação. Ao contrário, ela tem que ser estratégica”, diz Cavalcante. Isso significa que só vale compartilhar sua ideia de uma maneira objetiva e coerente com o contexto do público em questão.

Difícil chegar a esse equilíbrio entre profundo conhecimento sobre o assunto e uma apresentação pontual? Nem tanto. Basta compreender bem quais os principais motivadores do público em questão e focar neles.

“Tenha foco, não queira vender 20 coisas ao mesmo tempo”, diz Ferraz.

6. Não parta para a briga (ou indiferença)

Esteja preparado para passar por uma prova de fogo. Durante a apresentação, muitos poréns serão levantados. E o seu papel é manter a calma e, de uma maneira sensata, desmontar cada um dos contras.

Agora, não vale perder a cabeça e descanbar para a ignorância. Lembre-se: a credibilidade da sua ideia está intimamente ligada à sua própria imagem – e credibilidade.

Além disso, é imprescindível demonstrar confiança e segurança para os interlocutores. Por isso, não vale chegar na sala de reuniões sem, realmente, acreditar em cada detalhe do seu projeto. Muitas ideias já naufragaram simplesmente porque as pessoas não demonstraram paixão pelo que faziam. “Nunca vi nenhuma proposta ser aprovada com gente norma”, diz Cavalcante.

7. Deixe a porta aberta
Não se intimide caso não tenha resposta para todas as perguntas. Aliás, segundo Cavalcante, deixar alguns pontos em aberto é essencial para que as negociações para que a ideia seja aprovada não ganhem um ponto final logo de cara.

A dica, segundo ele, é já sair da primeira reunião com uma nova data de discussões agendada. “Se você deixa uma pendência, gera-se a chance de reavivar o projeto nos próximos dias”, afirma. E, com isso, aproveitar as impressões iniciais, até, para melhorá-lo.