7 características de uma redação com nota 10 em concursos

Redações que tiram 10 em concursos públicos surpreendem muita gente pela sua inacreditável simplicidade. Veja o que faz com que elas sejam tão valorizadas

São Paulo — Redações que tiram 10 em vestibulares ou concursos públicos surpreendem muita gente pela sua inacreditável simplicidade.

É comum a ideia de que, para merecer a nota máxima, o texto precisa ser extraordinário, primoroso, beirando a qualidade de uma obra artística, diz o professor de português Diogo Arrais, autor gramatical pela Editora Saraiva. É bem o contrário: quanto mais descomplicado ele for, maior sua chance de sucesso.

A melhor estratégia é pensar que você está escrevendo para um leitor de 10 anos de idade, sugere Luciane Sartori, professora de redação da LFG. “Deixe tudo muito claro, fácil de ler e bem explicado”, orienta.

Também é essencial satisfazer as exigências específicas de cada banca avaliadora. Uma redação que atende às instruções do concurso já tem garantida boa parte da sua nota.

Não que seja obrigatório tirar 10: segundo Sartori, 8 ou 7 já bastam para que o candidato seja aprovado na maioria dos concursos. Receber a nota máxima não é impossível, mas é raro.

De qualquer modo, é importante conhecer as características que diferenciam um texto bem avaliado. Confira a seguir algumas delas, segundo os especialistas ouvidos por EXAME.com:

1. Contém as palavras-chave do tema

Pode parecer óbvio, mas muita gente perde pontos na redação porque se esquecer de usar expressões e termos que pertencem ao campo semântico da área. “Se o assunto é nutrição, por exemplo, você precisará empregar palavras como ‘fibras’, ‘colesterol’, ‘enzima’, ‘digestão’”, explica Arrais.

O mesmo vale para as principais referências bibliográficas da área. Ao citar autores, você mostra que conhece bem a disciplina e sabe do que está falando.

2. Não foge ao assunto (e nem ao “problema”)

Todos os candidatos com nota máxima na redação têm um ponto em comum: eles leram atentamente à proposta da banca. Quem se afasta do tema costuma perder 50% da nota, segundo Sartori. O texto ideal não contém digressões nem rodeios: ele trata diretamente dos tópicos pedidos.

Também é fundamental não se esquivar do “problema” apresentado pelos examinadores. É preciso oferecer algum tipo de solução a ele na conclusão do seu texto. “Sempre proponha algo para sanar aquele conflito, com base em princípios éticos e humanistas”, afirma Arrais.

3. Tem letra legível

Pode parecer bobagem, mas a letra do candidato conta (e muito) para a avaliação final. Além de uma grafia clara, também é fundamental respeitar as margens da folha e respeitar o espaço do parágrafo.

De acordo com Sartori, a apresentação visual do texto costuma valer 10% da nota. É fácil entender: diante de uma grande pilha de textos para corrigir em pouco tempo, o avaliador naturalmente vai preferir aqueles que são mais agradáveis à leitura.

4. Tem uma sequência lógica

Aspectos estruturais também são muito importantes. A dissertação deve ter uma sequência lógica, com começo (tese), meio (desenvolvimento) e fim (conclusão). “Organizar o seu raciocínio nesses moldes garante coesão e coerência, dois critérios básicos para a correção de uma prova escrita”, diz Sartori.

Também vale lembrar que os seus argumentos devem estar bem amarrados entre si por meio dos chamados “conectores” — palavras ou frases que ajudam a criar relações entre as ideias, tais como “apesar de”, “por outro lado”, “até mesmo” e “por consequência”.

5. Não tem erros de português

Atender rigorosamente à norma culta da língua é obrigatório para garantir uma boa nota em qualquer tipo de questão escrita. Que dirá na redação. “Até os menores erros de português fazem as bancas de concurso rebaixarem a pontuação do candidato”, diz Arrais.

Concordância, ortografia, acentuação, colocação pronominal e diversos outros tópicos gramaticais precisam estar em ordem para que a redação mereça a nota máxima. É preciso estudar com afinco a gramática exigida nos exames — até porque ela tem pouco a ver com a língua falada no Brasil, afirma o professor.

6. Está livre de “paixões”

Especialmente em tempos de polarização ideológica e discussões acirradas nas redes sociais, a moderação é uma qualidade muito valorizada numa redação de concurso.

Um texto que merece 10 tem um tom objetivo, pouco afetado por emoções. “Imagine a redação como uma entrevista de emprego por escrito”, afirma Arrais. “Numa situação assim, não faz sentido você chorar, gritar ou esbravejar contra o que quer que seja”.

7. Demonstra autonomia de pensamento

Clichês, frases prontas e ditados populares não são proibidos numa redação de concurso, mas não devem ser usados como ferramentas de argumentação. “Só faz sentido usar se forem muito úteis ou significativos naquele contexto”, afirma Sartori. De forma geral, é melhor formular as suas próprias construções.

Frases genéricas, vagas ou muito batidas — que se confundem com o senso comum — transmitem insegurança no assunto. “A precisão, a especificidade e a originalidade das ideias são valores essenciais para a redação”, diz Arrais. “Você precisa mostrar que domina aquele tema e é capaz de opinar sobre ele de forma independente”.