6 vícios que você precisa eliminar agora da sua redação

Ter uma boa redação é uma competência decisiva para o sucesso em qualquer área de atuação. Veja alguns vícios que você deve extirpar o quanto antes do seu texto

São Paulo — Num mundo dominado por e-mails, redes sociais e aplicativos de mensagens como o WhatsApp, a comunicação escrita ocupa um espaço central no cotidiano. Mais do que nunca, é preciso saber escrever com objetividade, clareza e coerência —  ainda mais em situações profissionais.

Ter uma boa redação não é um “luxo” dispensável: a competência é decisiva para o sucesso em qualquer segmento de atuação.

“A excelência na escrita tem impacto direto sobre a carreira”,  diz Rosângela Cremaschi, professora de comunicação da Fundação Armando Álvares Penteado (Faap) e consultora na RC7. “É comum que ela se traduza em promoções, aumentos salariais e visibilidade no mercado de trabalho”.

Além de trazer benefícios para o indivíduo, o cuidado com a linguagem também faz bem para a saúde das empresas: quanto maior a qualidade do diálogo entre as pessoas, mais fáceis se tornam os acordos. Bons textos geram bons negócios.

Mas como aperfeiçoar a sua redação e gerar oportunidades para si mesmo e para o seu empregador? Um bom começo é conhecer alguns vícios muito comuns, mas fáceis de eliminar, como os que você verá a seguir:

1. Usar expressões “difíceis” (que não significam o que você pensa)

Quem nunca leu (ou escreveu) algo como “Essa questão deve ser discutida junto ao departamento de RH”? Segundo Cremaschi, a expressão “junto a” significa “perto de”. Pode até parecer mais culto dizer que você discutiu a questão junto ao departamento, mas isso não faz sentido: escreva simplesmente que a discutiu com o departamento.

“Posto que” é outra expressão elaborada que muita gente emprega equivocadamente, afirma o professor de português Diogo Arrais. O sentido correto é adversativo (como “embora”), e não causal (como “já que”). A norma culta prevê que você diga algo como “Posto que estivesse chovendo, fui à praia”, e não “Posto que fizesse sol, fui à praia”.

Outro exemplo é a palavra “assertivo”, muito usada no discurso corporativo com o sentido de “preciso”, “exato” e “correto”, talvez pela semelhança sonora com a palavra “acerto”. O significado, porém, é outro: uma pessoa assertiva é aquela que expõe e defende suas ideias com firmeza, autoconfiança e vigor.

2. Insistir em fórmulas prontas

Segundo o professor Diogo Arrais, muitos profissionais ainda enfeitam suas redações com frases consagradas, que pouco ou nada acrescentam à mensagem. Exemplos típicos da correspondência profissional são “Venho por meio desta” ou “Sem mais para o momento”.

Além de soarem pouco naturais, essas fórmulas alongam o texto desnecessariamente e criam barreiras para a compreensão do seu recado. Quer manter um diálogo mais claro e genuíno com o seu leitor? Revise seu texto e corte todas as frases e expressões que estão ali só por convenção.

3. Repetir, repetir, repetir

“Muita gente acredita que, para que o interlocutor compreenda bem sua mensagem, é preciso ‘reforçar’ o texto com a repetição de informações e palavras”, diz Cremaschi. Na verdade, é o contrário: a redundância só serve para cansar e desconcentrar o outro.

Para sanar o problema, a dica é usar conjunções, como “entretanto”, “porém” e “embora”, e pronomes relativos, como “dos quais”, “onde” e “cujo”, que criam conexões entre as ideias e dispensam a necessidade de retomá-las várias vezes.

Pesquisar sinônimos para as palavras que precisam ser repetidas também é interessante, recomenda Arrais. O dicionário não é o “pai dos burros”, como se costuma dizer, mas o aliado dos curiosos.

4. Ignorar possíveis duplos sentidos

Na frase “A diretora discutiu com o gerente o seu descontentamento com a equipe”, de quem é o descontentamento: da diretora ou do gerente? Desprovida de recursos como o tom de voz e as expressões faciais, a comunicação escrita é especialmente suscetível a mal-entendidos. Um erro bastante comum é negligenciar esse risco, deixando de ler o texto com o olhar do interlocutor.

“Ao escrever, dê uma pausa, vá buscar um café e depois o releia, a fim de checar se não há dupla interpretação”, diz Cremaschi.

Cuidar da pontuação também ajuda a evitar a ambiguidade. Basta ver a diferença entre “Pegue o livro, que está na gaveta” e “Pegue o livro que está na gaveta”. No primeiro caso, há um único livro, e seu lugar é a gaveta. No segundo, pode haver vários livros, mas apenas o que está na gaveta deve ser pego.

5. Cometer velhos erros

Mesmo profissionais de alto gabarito hierárquico escorregam em velhos tópicos de gramática, endereçados desde os tempos de escola. Os verbos “haver” e “fazer” são exemplos típicos. Muita gente já sabe que ambos devem permanecer no singular quando têm sentido de existência ou tempo transcorrido. No lugar de “Fazem dois anos” e “Haviam dados”, deve-se escrever “Faz dois anos” e “Havia dados”. Mas a forma incorreta ainda aparece em muitos textos profissionais, diz Cremaschi.

Em parte, a reincidência em erros antigos se explica pela correria da rotina. Mas não é apenas isso. “A maioria das pessoas escreve com pouquíssima atenção”, explica Arrais. “Para evitar esses lapsos, você precisa pensar no seu leitor e fazer uma revisão do que redigiu antes de apertar o botão ‘enviar’”.

6. Falhar na padronização

Outro vício comum é negligenciar regras básicas sobre sinais e abreviações. Não é mero formalismo: num texto profissional, a padronização ajuda a deixar a comunicação mais limpa e clara. “Quando o texto respeita um sistema conhecido, a leitura se torna mais fluida”, explica Cremaschi.

A professora chama a atenção para a notação do horário: o símbolo de hora é “h”, o de minuto é “min” e o de segundo é “s”. Para descrever uma duração, usa-se “das 9h às 10h30″, por exemplo. O símbolo “min” só será obrigatório se também forem citados os segundos. Você pode escrever, por exemplo, que uma determinada prova olímpica dura 1h15min10s.

As siglas também precisam seguir um padrão. Na primeira vez em que citar algo como o BNDES, escreva primeiro o nome correspondente por extenso, desta forma: “Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES)”. A partir daí, fique à vontade para usar só a sigla quando mencionar a instituição.

Quer ir além? Veja também:

Os 50 erros de português mais comuns no mundo do trabalho

8 dúvidas de português que atormentam muita gente