5 dicas de sucesso do estagiário que virou presidente da IBM

Rodrigo Kede, presidente da IBM no Brasil, cita alguns dos fatores que considera fundamentais para chegar ao topo da carreira profissional

São Paulo – Desde 2012 a IBM no Brasil conta com o presidente mais jovem da sua história. Mas isso não significa que Rodrigo Kede, de 40 anos, não tenha trilhado um longo caminho na empresa até chegar ao mais alto posto da companhia.

Graduado em engenharia mecânica pela PUC-Rio, ele entrou na IBM quando ainda estava na faculdade. “Comecei como estagiário em 1993”, contou a internautas esta semana, durante o bate papo online Na Prática, organizado pela Fundação Estudar.

Ou seja, foram mais de 20 anos de experiência de trabalho na IBM e, por isso mesmo, fica mais surpreso com sua pouca idade para um cargo tão importante quem é de fora. “Aqui na IBM, as pessoas foram me conhecendo e acabou sendo natural”, diz ele que aos 33 anos já era CFO da empresa.

Mas não foi só o tempo de casa que o levou ao topo, é claro. Aliás, ele conta que esse nunca nem foi o seu objetivo maior de carreira.“Todo mundo quer crescer, ganhar dinheiro, mas, logo que me formei, minha cabeça era muito mais focada em desenvolvimento do que o pensamento de chegar nesse cargo ou naquela função”, diz.

E, por isso que deu certo, na opinião dele. Confira quais as regras que ele seguiu ao longo da sua carreira de sucesso e que podem servir como inspiração para muitos outros profissionais:

1 Sair sempre da zona de conforto

Acomodação, conforto e crescimento definitivamente não andam juntos, afirma Kede. “Tem que sempre estar fora da sua zona de conforto para crescer e progredir”, diz.

As etapas da sua trajetória confirmam que ele sempre seguiu esta regra. Pela IBM, trabalhou nos Estados Unidos, comandou divisão na América Latina, trabalhou com as regionais da Ásia, passou pelas áreas financeira, de operações e de negócios.

“Uma companhia que fatura 100 bilhões de dólares ao ano, tem 400 mil funcionários em 170 países dá essa chance de quase trabalhar em outra empresa estando na mesma”, diz.


2 Conectar-se com as pessoas dentro da empresa

As temporadas internacionais de trabalho pela IBM foram fundamentais para o sucesso, segundo Kede. E o networking é parte importante nesse processo. Por meio dele, as pessoas passaram a conhecer o seu trabalho e a confiar nele também.

“Além de conhecer outra cultura e trabalhar com coisas diferentes, tive a chance de me conectar com pessoas da companhia e isso me abriu várias portas e acelerou minha carreira”, conta.

3 Recursar-se a aceitar frases como: “isso não dá pra fazer”, “é muito complicado” , “ninguém nunca fez”

Sua filosofia de carreira sempre foi a de correr atrás das coisas. “Acredito plenamente que para ter uma carreira de sucesso é preciso sempre não aceitar o inevitável. Não consigo aceitar situações e pessoas dizendo que não dá pra fazer, que é muito complicado, que ninguém nunca fez”, conta.

4 Identificar-se com valores e pessoas dentro da empresa

A trilha de sucesso na IBM também relacionada à identificação com pessoas e com o propósito da companhia, segundo Kede. Foi isso que o motivou a continuar trabalhando e a recusar um sem-número de propostas de outras empresas.

“Fiquei na IBM porque gostava muito das pessoas. Gosto do propósito que é ligado ao desenvolvimento da sociedade”, diz.

5 Errar, aprender e corrigir

Impossível só acertar. Mesmo a mais bem sucedida carreira coleciona alguns tropeços. “Tem dia que volto para casa e penso que devia ter feito algo diferente.”, diz Kede. De acordo com ele isso é normal. “Você erra, aprende e corrige”, explica.