Dólar R$ 3,28 0,12%
Euro R$ 3,67 0,13%
SELIC 11,25% ao ano
Ibovespa -0,05% 63.227 pts
Pontos 63.227
Variação -0,05%
Maior Alta 22,54% JBSS3
Maior Baixa -4,09% CYRE3
Última atualização 25/05/2017 - 17:21 FONTE

Wagner Moura é convidado por Dilma a integrar o Conselhão

Ator indicado ao Globo de Ouro por papel de Pablo Escobar na série “Narcos” agora assume papel no governo na vida real

São Paulo – O ator brasileiro Wagner Moura, recentemente indicado ao Globo de Ouro por sua atuação como o traficante internacional de drogas Pablo Escobar na série “Narcos”, foi agraciado com uma nova atribuição na vida real.

Moura foi convidado pela presidente Dilma Rousseff a fazer parte do “Conselhão”, o grupo de empresários e pensadores que debate saídas econômicas para o atual quadro de recessão. A informação é do jornal Folha de S. Paulo.

O ator tem longo histórico de envolvimento com causas sociais, inclusive o combate ao trabalho escravo moderno. Pela causa, Moura se tornou embaixador da ONU para mobilizações coordenadas pela Organização Internacional do Trabalho (OIT).

O convite foi formalizado pelo ministro da Casa Civil, Jaques Wagner, e aceita pelo ator. A única ressalva é sua ausência na primeira reunião do grupo, marcada para dia 28 de janeiro — Moura estará em gravações da segunda temporada da série original do Netflix.

A reabertura do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social foi uma sugestão que surgiu na primeira reunião de Dilma com o vice, Michel Temer. A ideia é trazer para perto do governo grandes nomes do mercado.

Além de Wagner Moura, segundo a Folha, foram convocados Jorge Paulo Lemann (Ambev), Abilio Diniz (BRF), Luiza Trajano (Magazine Luiza), Luiz Carlos Trabuco (Bradesco) e Roberto Setubal (Itaú) e o neurocientista Miguel Nicolelis, por exemplo. Espera-se que a lista feche em 90 nomes.

O Conselhão foi criado pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em 2003 como forma de inclusão dos setores da sociedade civel e empresarial no novo governo petista. Dilma Rousseff nunca foi adepta do grupo e não convocava reuniões há dois anos.