Dólar R$ 3,27 -0,54%
Euro R$ 3,65 0,07%
SELIC 11,25% ao ano
Ibovespa 1,36% 64.085 pts
Pontos 64.085
Variação 1,36%
Maior Alta 4,89% RADL3
Maior Baixa -6,09% JBSS3
Última atualização 26/05/2017 - 17:20 FONTE

Você estudou bem quem é seu candidato a vice-prefeito?

"Quem pariu Temer que o embale”, afirmou o candidato do PSDB João Leite, segundo o jornal O Globo

No debate para a Prefeitura de Belo Horizonte, o candidato do PSDB João Leite fez um alerta importante para quem está prestes a escolher o candidato: prestar atenção na escolha do vice.

Acusado de golpista, ele destacou que quem colocou Michel Temer (PMDB) na presidência foi quem votou em Dilma Rousseff (PT), que o escolheu como vice.

“Votei em Aécio Neves para presidente e Aloysio Nunes para vice. Dessa aliança (PT com PMDB), o PSDB não participou. Quem pariu Temer que o embale”, afirmou, segundo o jornal O Globo.

Assim como o vice-presidente, o vice-prefeito pode chegar a assumir o comando da prefeitura. Ele é o sucessor do prefeito, caso o posto fique vago, em casos de licença ou impeachment.

Ainda usando o caso de Belo Horizonte, o atual prefeito Márcio Lacerda (PSB) chegou a ser alvo de um pedido de impeachment, arquivado em junho. Caso o impedimento tivesse sido confirmado, assumiria o vice Délio Malheiros (PSD).

Assim como a relação entre Temer e Dilma teve alguns percalços, a de Lacerda e Malheiros passou por tempos ruins.

Também em BH, já teve um caso em que o vice assumiu a prefeitura. Logo no primeiro ano do segundo mandato, em 2001, Célio de Castro (PT) sofreu um derrame e pediu licença do cargo. No lugar dele, assumiu o vice Fernando Pimentel (PT).

A regra eleitoral estabelece que a escolha do vice está vinculada a do prefeito, com as mesmas condições e incompatibilidades. A legislação permite que o vice exerça funções relevantes na administração, desde que os salários não acumulem.