Dólar R$ 3,28 0,12%
Euro R$ 3,67 0,12%
SELIC 11,25% ao ano
Ibovespa -0,05% 63.227 pts
Pontos 63.227
Variação -0,05%
Maior Alta 22,54% JBSS3
Maior Baixa -4,09% CYRE3
Última atualização 25/05/2017 - 17:21 FONTE

Visitas nos presídios do Distrito Federal estão suspensas

As atividades de recebimento de advogados e oficiais de justiça e a escolta judicial já haviam sido interrompidas desde o início da greve

A Secretaria de Segurança Pública e da Paz Social do Distrito Federal informou hoje (18) que as visitas na Penitenciária Feminina e nos presídios do Complexo Penitenciário da Papuda estão suspensas por causa da greve dos agentes penitenciários. As visitas familiares nas unidades ocorrem às quartas e quintas-feiras, e em alguns casos específicos às sextas-feiras.

Segundo a secretaria, o retorno das visitas dependerá das negociações entre o governo do DF e o movimento grevista.

As atividades de recebimento de advogados e oficiais de justiça e a escolta judicial já haviam sido interrompidas desde o início da greve, no dia 10 de outubro.

O Sindicato dos Agentes de Atividades Penitenciarias do Distrito Federal (Sindpen-DF) informou, entretanto, que a distribuição de alimentos, escoltas hospitalares e seguranças das unidades continuam sendo feitas.

“O Sindpen-DF reitera que sempre se preocupou com a segurança e o bem-estar do sistema penitenciário. […] Solicita à categoria que permaneça em estado de alerta, pois o expediente irá apoiar o plantonista dentro dos blocos visando aumentar a segurança”, disse a entidade, em comunicado. A continuação da paralisação foi decidida ontem (17) pela categoria. A próxima assembleia está marcada para o dia 25 de outubro.

Segundo a secretaria do DF, a greve já é considerada ilegal pelo Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios e o sindicato da categoria foi intimado nesta segunda-feira (17) da decisão. A multa diária é de R$ 100 mil, caso os servidores não retomem as atividades.

Além da criação de 500 vagas para agentes penitenciários, a categoria reivindica o pagamento da última parcela do reajuste salarial e outras questões não econômicas, como a criação de uma comissão de processo disciplinar e a confecção de identidades funcionais.