Dólar R$ 3,27 0,13%
Euro R$ 3,64 0,23%
SELIC 11,25% ao ano
Ibovespa -0,51% 63.761 pts
Pontos 63.761
Variação -0,51%
Maior Alta 3,64% FIBR3
Maior Baixa -2,44% CIEL3
Última atualização 29/05/2017 - 17:21 FONTE

Vice de Russomanno critica “política da rasteira” na eleição

Marlene disse que é nova na política, mas avalia, com base no corpo-a-corpo com o eleitorado, que a população não quer ataques, e sim propostas

São Paulo – A candidata a vice na chapa de Celso Russomanno (PRB), Marlene Machado (PTB), criticou nesta quinta-feira, 29, em sabatina no Grupo Estado, o que classificou de “política rasteira” dos adversários nesta corrida à Prefeitura de São Paulo.

Na sua avaliação, sua chapa é a mais preparada para comandar uma cidade “tão grandiosa e importante como São Paulo”.

“O Celso é um bom gestor, uma pessoa humana, temos de fazer uma política séria e verdadeira, eu vou às ruas, converso com as pessoas e elas não aceitam mais essa política que está aí”, disse.

Marlene disse que é nova na política, mas avalia, com base no corpo-a-corpo com o eleitorado, que a população não quer ataques, e sim propostas.

“O candidato tem que levar propostas ao eleitorado, tem que falar da cidade e da desigualdade social, mas existem ainda essas rasteiras.”

Ela não quis entrar na polêmica das críticas dos adversários, dizendo que as propostas são o ponto chave de uma campanha.

“Temos de trabalhar para os menos favorecidos, é um momento de colocarmos nossas propostas, vamos para o segundo turno, independentemente das pesquisas.”

Segundo ela, a sua presença na chapa ajudou a dar serenidade aos ânimos internos, principalmente com o acirramento dos ataques dos adversários e a queda nas pesquisas.

“Converso muito com o Celso e disse que isso faz parte da política, que ele é do bem, mesmo com a tentativa de desconstrução dos adversários, vamos focar no que é melhor, que são nossas propostas. Nós mulheres temos esse papel importante de conciliar.”

Em entrevista à TV Estadão, na série com os candidatos a vice que disputam a Prefeitura da capital, Marlene disse que são naturais as oscilações nas pesquisas de intenção de voto, pois Russomanno liderava com folga a corrida, no início da campanha, e nesta reta final aparece em segundo lugar, com tendência de queda e ameaçado pelas candidaturas de Marta Suplicy (PMDB) e Fernando Haddad (PT).

Ela argumenta que sua coligação teve pouco tempo no horário eleitoral gratuito. “Tempo de TV é fundamental e temos tempo bem reduzido na TV, mesmo assim e com poucos recursos, creio no trabalho que estamos realizando e não tenho dúvidas de que estaremos no segundo turno.”

Apesar de criticar a “política rasteira”, disse que isso não deverá dificultar as eventuais alianças que sua coligação fará num eventual segundo turno. E reiterou que o principal é focar nas propostas.

“O Celso é experiente e queremos trabalhar pela cidade de São Paulo”, disse. “O eleitor quer saber de fato o que o candidato fará pela cidade, propostas concretas, pois resolver todos os problemas não tem como, ainda mais em uma cidade abandonada como São Paulo.”

Na avaliação de Marlene, a mulher precisa ter um papel de maior destaque na política. Ela não acredita que o impeachment da primeira presidente da República eleita no Brasil, Dilma Rousseff, atrapalhará a inserção de mais mulheres nesta seara. Marlene disse que a primeira medida que a cidade precisa é na área da saúde. “Vamos informatizar todo o sistema”, destacou.