Vereador Fernando Holiday quer revogar o Dia da Consciência Negra

Em seu 3º dia como vereador de São Paulo, o jovem afirmou também que vai propor o fim das cotas raciais em concursos públicos municipais da capital

São Paulo – No terceiro dia como vereador de São Paulo, Fernando Holiday (DEM), de 20 anos, disse que vai apresentar uma proposta para revogar o Dia da Consciência Negra, data celebrada em 20 de novembro.

Em entrevista à TV Câmara nesta quarta-feira, 4, o jovem afirmou ainda que vai propor o fim das cotas raciais em concursos públicos municipais da capital.

Após ter sido eleito com pouco mais de 48 mil votos, Holiday voltou a reforçar bandeiras de sua campanha. Muitas delas foram apresentadas na internet, onde o ativista do Movimento Brasil Livre (MBL) ganhou destaque.

Em novembro do ano passado, o jovem publicou em uma rede social que é “um absurdo” existir uma data como o Dia da Consciência Negra, que “homenageie um homem assassino escravagista.”O dia 20 de novembro foi escolhido como homenagem à morte de Zumbi dos Palmares, líder do Quilombo dos Palmares, assassinado neste dia.

“Vou ter propostas de várias frentes, algumas delas mais polêmicas, como propor o fim das cotas raciais em concursos públicos municipais em São Paulo. É um debate que há muito tempo venho encampando, contrário às cotas porque acredito que elas reforçam o machismo ao invés de ajudar os negros. Vou propor a mudança da justificativa do Dia da Consciência Negra, que é um feriado complicado, que muitas vezes por atrapalhar esse combate (contra o racismo)”, explicou Holiday na TV Câmara.

O vereador disse também que vai apresentar propostas para revogar todo tipo de legislação ou burocracia que atrapalhe o microempreendedor e o microempresário da periferia, “que hoje sofre com uma série de papeladas e processos burocráticos para montar seu próprio negócio ou contratar alguma pessoa”.

Outra ideia defendida pelo parlamentar é a proibição de homenagens em sessões solenes a ditadores e genocidas “ou qualquer personagem ou fato histórico que tenha atentado contra os direitos humanos e a liberdade em algum momento da história.”

“Já protestei na Câmara contra uma homenagem que fizeram a Fidel Castro em uma sessão solene que teve. Pretendo trazer essa experiência e esse idealismo para dentro da Câmara, uma casa legislativa que é a casa do povo, para que respeite as liberdades também quando for homenagear alguém”, afirmou. Na entrevista, Holiday não citou outras personalidades que poderiam ter homenagens barradas.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Helcio Batista da Silva

    Coloca esse mulek para governar o Brasil imediatamente! Ele não aceita que os negros sejam inferiorizados recebendo cotas em função da cor. Cotas devem ser reservadas para os pobre, não importa a cor que ele tenha.

  2. josé camilo soares dos santos

    Totalmente de acordo com o vereador paulistano Holiday. A prática da consciência negra, amarela, branca, etc., enfim, a prática do respeito a outro ser humano, deve ser em cada um dos 365 (ou dos 366) dias do ano e não apenas num único. E nas 24 horas de cada dia.

  3. Tresor Kapasa

    Muito conteúdo e pouco conhecimento.
    Porque fala pelos pretos se não fez nada pelos pretos??!!!
    Seu novo cargo só foi possível devido ao movimento de muitos que idealizaram o dia da consciência negra.
    Muita poesia, tanta hipocrisia e as mesmas estatísticas.
    #vocenaomerepresenta

  4. Aldo Oliveira

    Começa Bem , mas depois se torna um Lindberg Farias.( queira Deus que não)

  5. Klaus Vargas

    Parabéns. Acho muito humilhante para os pretos dizer-se que eles precisam de uma “forcinha” para chegarem ao mesmo lugar que os brancos. A cota para pretos é a declaração clara de que as pessoas que propõem essas cotas acham os pretos inferiores.

  6. Klaus Vargas

    Parabéns. Acho muito humilhante para os pretos dizer-se que eles precisam de uma “forcinha” para chegarem ao mesmo lugar que os brancos. A cota para pretos é a declaração clara de que as pessoas que propõem essas cotas acham os pretos inferiores.

  7. Klaus Vargas

    Parabéns. Acho muito humilhante para os pretos dizer-se que eles precisam de uma “forcinha” para chegarem ao mesmo lugar que os brancos. A cota para pretos é a declaração clara de que as pessoas que propõem essas cotas acham os pretos inferiores.

  8. Marcos de Souza Costa

    Outro Lindberg Farias, correu e fez de tudo contra Collor e agora vejam o resultado.

  9. Marcos de Souza Costa

    Outro Lindberg Farias, correu e fez de tudo contra Collor e agora vejam o resultado.

  10. Marcos de Souza Costa

    Outro Lindberg Farias, fez de tudo para tirar Collor . depois mostrou sua face. “Quer conhecer o verdadeiro caráter de uma pessoa, dê o poder a ela”.

  11. Erika Araujo

    Até bem pouco tmpo atrás eu pensava exatamente assim, q as cotas eram uma forma de discriminação. Porém, em uma das brilhantes aulas de antropologia q tive com um brilhante professor da faculdade, criou-se um debate sobre isso e eu o questionei sobre as cotas, pq eu achava extremamente injusto e q isso era uma forma de exclusão. Foi qndo ele me colocou pra pensar : e se as cotas fossem uma forma de inserir sim os negros numa universidade? E ele apontou dados q revelam a nossa triste realidade: infelizmente os negros ainda são minoria nas universidades, por questões financeiras, falta de oportunidade, cultura e por aí vai. Consigo compreender ambos os lados mas é um fato a se pensar. Infelizmente a desigualdade existe e as cotas podem parecer uma forma de confirmar isso, mas e qndo o negro lá da periferia (só exemplo tá), pensa em estudar, ter uma carreira q depende de graduação, chega pra disputar vagas onde os brancos são a maioria? Complicado né? Lógico q se ele estudar, se preparar, terá chance como outro qualquer, mas isso vale pra todos? Acredito q não. Se o negro rala pra estudar, tenta e infelizmente não consegue passar, pra onde ele volta? (To falando em relação à maioria deles, de acordo com estatísticas) e qndo um branco estuda, tenta passar e tbm não consegue? Pra onde ele volta? É sim uma questão polêmica mas deve ser tratada com delicadeza pra q um passo em falso, acabe tirando oportunidade de qm as oportunidades são tão escassas..