Temer tratará de questão de fronteiras em visita ao Paraguai

O Paraguai é um dos principais parceiros políticos e comerciais, sendo o Brasil o principal destino das exportações paraguaias

Brasília – A primeira visita oficial do presidente Michel Temer ao Paraguai, na próxima segunda-feira, 3, terá como eixos principais o tratamento de temas ligados ao desenvolvimento fronteiriço em todas as suas dimensões, como infraestrutura, comércio e segurança, de acordo com informações divulgadas pelo Itamaraty.

Temer vai a Assunção após passagem pela Argentina. Na capital do Paraguai está agendado um encontro de trabalho com o presidente da República do Paraguai, Horacio Cartes.

De acordo com o cronograma prévio agendado, Temer chega a Assunção às 17h15, horário local, e segue para o Palacio de los Lopez, sede do governo.

Após um encontro privado com Cartes, que tem previsão de 20 minutos de duração, Temer participa de uma reunião ampliada quando participam os ministros dos dois governos.

A comitiva de Temer deve será integrada pelo ministro das Relações Exteriores, José Serra; da Indústria e Comércio e Serviços, Marcos Pereira; da Defesa, Raul Jungmann; da Justiça, Alexandre Moraes; e da Segurança Institucional, Sérgio Etchegoyen.

Logo após o encontro, o presidente fará uma declaração à imprensa, prevista para acontecer por volta das 20 horas. Depois, Temer participa de um jantar oferecido pelo presidente paraguaio.

A partida para Brasília está prevista para as 23 horas e a chegada ao Brasil está estimada para o início da madrugada de terça-feira.

Segundo o Itamaraty, os presidentes também tratarão de temas das agendas regional e multilateral, em particular o fortalecimento econômico e comercial do Mercosul e as negociações externas do bloco.

O Paraguai é um dos principais parceiros políticos e comerciais, sendo o Brasil o principal destino das exportações paraguaias e o principal fornecedor de produtos para o Paraguai.

Em 2015, o intercâmbio bilateral alcançou US$ 3,3 bilhões. Nos primeiros oito meses de 2016, o intercâmbio bilateral alcançou US$ 2,1 bilhões.