Dólar R$ 3,27 -0,31%
Euro R$ 3,65 -0,19%
SELIC 11,25% ao ano
Ibovespa 0,70% 63.103 pts
Pontos 63.103
Variação 0,70%
Maior Alta 3,10% BBAS3
Maior Baixa -2,75% JBSS3
Última atualização 24/05/2017 - 10:24 FONTE

Temer elogia aprovação da PEC do Teto

Temer justificou a diferença nas votações afirmando que muitos parlamentares com quem conversou ainda estavam chegando a Brasília

O presidente Michel Temer comemorou e agradeceu ao Senado a aprovação, em segundo turno, da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que cria um limite para os gastos públicos pelos próximos 20 anos.

Classificando a proposta do teto dos gastos como a “primeira emenda que visa tirar o país da recessão”, Temer declarou ter “coragem para governar” e promover as mudanças que o país precisa.

“Se não tiver coragem, por que vou reduzir os gastos em dois anos e pouco [período para o fim do mandato]? Para que mexer na Previdência? Poderia deixar para depois, para que outro cuide do país todo atrapalhado e desarticulado. Mas esta não é a missão de quem deve tudo ao Brasil e de quem ama o Brasil”, afirmou o presidente, ao discursar durante evento que anunciou o Programa de Renovação de Frota do Transporte Público Coletivo Urbano.

Nesta terça-feira (13), a PEC 55/2016 foi aprovada pelos senadores por 53 votos a 16, número menor do que a votação em primeiro turno (61 a 14).

Temer justificou a diferença nas votações afirmando que muitos parlamentares com quem conversou ainda estavam chegando a Brasília.

“A votação agora foi menor que a primeira, mas se deve ao fato de o presidente [do Senado] Renan Calheiros ter antecipado a votação inicialmente programada para tarde. Peço desculpas e licença para esse comentário trivial, e revelar que isto ocorreu por causa da ausência de senadores e não a voto contrário”, explicou.

Ao agradecer ao Congresso Nacional pelo que chamou de “competência” e “preocupação absoluta com o Brasil”, o presidente citou ainda que a parceria do Executivo com os parlamentares está permitindo as vitórias recentes do governo no Congresso.

“Há conflitos, há problemas no país, mas não podemos mantê-los indefinidamente”, defendeu ainda, mencionando o pedido que fez ao procurador-geral da República, Rodrigo Janot, para acelerar as investigações envolvendo o nome de políticos.