Temer é chefe de organização criminosa, diz Joesley à revista

Em entrevista exclusiva à Revista Época, que chega às bancas amanhã, dia 17, Joesley Batista detalha como se tornou o maior comprador de políticos do Brasil

São Paulo – De volta ao Brasil, o empresário Joesley Batista deu uma entrevista exclusiva à Revista Época, na edição que chega às bancas amanhã, dia 17,  em que detalha como se tornou o maior comprador de políticos do país.

Além de ataques a Michel Temer, ele conta como funcionava a estreita relação do presidente com Eduardo Cunha e não poupa informações sobre esquemas de corrupção no PT e PSDB.

“O Temer é o chefe da Orcrim (organização criminosa) da Câmara. Temer, Eduardo, Geddel, Henrique, Padilha e Moreira. É o grupo deles. Quem não está preso está hoje no Planalto”, afirmou ele à Época. 

Em um dos trechos da entrevista, Joesley diz que se tornou refém de dois presos, Eduardo Cunha e Lúcio Funaro, ambos presos no âmbito da Operação Lava Jato.

Entre valores generosos pagos como propina ou ajuda aos presos e outros políticos, ele ressalta a importância de Temer no cenário ilícito das relações que mantinha.

“A pessoa a qual o Eduardo se referia como seu superior hierárquico sempre foi o Temer. Sempre falando em nome do Temer. Tudo que o Eduardo conseguia resolver sozinho, ele resolvia. Quando ficava difícil, levava para o Temer. Essa era a hierarquia”, diz o empresário.  

 

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Carlos Araújo

    Empresário (bandido-mentiroso), ainda está posando de anjo no meio do inferno.
    Recebeu toda fortuna do BNDES na administração LULA e Dilma para comprar empresas nos EUA.
    Agora acusa Temer por conveniência, Temer não mandava nada, muito menos os outros citados.
    Ele mente descaradamente, é de sua índole. Como alguém que diz que tinha liberdade com o presidente precisaria pedir ajuda para um deputado sem expressão(fraco)? O presidente o
    recebeu depois de muita insistência do deputado, gravando de forma ilegal e talvêz bêbado –
    (parece que tinha tomado alguns uisques). Falou 99% do tempo como um pilantra(baixo-nível).
    Praticamente não ouvi o presidente falar de forma categórica (falou 1%).

    Janot é um homem vaidoso, e queria o 3º mandato, o presidente disse NÃO!. A verdade é que
    a reforma da previdência tira os privilégios desses grupos. Salários entre 70-120 mil e mais, –
    muito mais.

    Pela primeira vêz um presidente encarou os reais problemas, contribuição sindical, mordomias
    dos funcionários públicos. Façam uma análise da situação do Brasil um ano atrás e agora.

    O governo está no caminho correto. O que fariam os que estavam LÁ?