STF recebe pedidos de inquérito contra Collor na Lava Jato

Até o momento, só é possível saber que os dois novos casos são apurações sobre corrupção passiva

Brasília – A Procuradoria-Geral da República (PGR) enviou mais dois pedidos de abertura de inquérito no âmbito da Lava Jato contra o senador Fernando Collor (PTB-AL) ao Supremo Tribunal Federal (STF).

O conteúdo dos documentos encaminhados à Corte, protocolados nesta quarta-feira, 18, é mantido sob sigilo no Tribunal e será encaminhados ao ministro Teori Zavascki, relator dos processos sobre o esquema de corrupção na Petrobras.

Pelo sistema do STF, até o momento, só é possível saber que os dois novos casos são apurações sobre corrupção passiva.

Os novos inquéritos têm como base duas petições mantidas ocultas no Supremo – procedimento que costuma ser usado para abrigar delações premiadas ainda em segredo.

O senador e ex-presidente da República já foi denunciado pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, ao STF pela suposta prática de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

Collor também é alvo de outros dois inquéritos no âmbito da Lava Jato, o mais recente foi aberto na semana passada.

A denúncia feita pelo procurador-geral contra Collor aponta um suposto esquema de uso de carros de luxo para lavagem de dinheiro. Os veículos teriam sido adquiridos com dinheiro de propina.

O doleiro Alberto Youssef informou à Polícia Federal em delação premiada que entregou ao senador R$ 60 mil em espécie por meio de Rafael Ângulo.

A Polícia Federal também comprovou oito depósitos feitos em nome do senador, que também foi citado na delação de Fernando Baiano.

A Polícia Federal chegou a apreender cinco carros de luxo de Collor durante uma das fases da Lava Jato.

No mês passado, no entanto, o ministro Teori Zavascki atendeu a um pedido feito pela defesa do senador, que alegou que os veículos demandam cuidados especiais, e devolveu quatro carros à guarda de Collor.

O senador vem negando veementemente qualquer envolvimento em irregularidades.