Sobrevivência política de Temer depende do Congresso

Para uma saída de Temer do poder, a poderosa base aliada no Congresso – ou ao menos parte dela – precisaria lhe dar as costas

O presidente Michel Temer espera salvar, nesta sexta-feira, a sua presidência persuadindo um Congresso infestado pela corrupção para que o apoie, apesar dos pedidos para que deixe o poder, em meio a um novo e explosivo escândalo no país.

Seu gabinete informou que Temer se encontrará com o ministro da Defesa, Raul Jungmann, e com os comandantes militares.

Esta agenda parece ter sido montada para destacar que o presidente continua mantendo sua autoridade.

Na quinta-feira, Temer rechaçou enfaticamente a possibilidade de renunciar depois que o Supremo Tribunal Federal (STF) autorizou a abertura de um inquérito contra ele.

O chefe de Estado é acusado de ter dado seu aval ao pagamento de propina para comprar o silêncio do ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha, que está preso acusado de ter aceitado milhões de dólares em subornos.

Veja também

Temer enfrenta agora oito solicitações de impeachment apresentadas no Congresso e uma dura batalha para manter sua base aliada unida.

Na quinta-feira foram registrados protestos de milhares de pessoas no Rio de Janeiro e em Brasília pedindo a renúncia do presidente, que terminaram em confrontos com a polícia, e mais manifestações estão previstas para esta semana.

O STF, encarregado de julgar políticos que estão exercendo suas funções, raramente toma decisões rápidas sobre as investigações e suspeita-se de que muitas vezes demore a analisar os casos que tem em mãos.

Desta maneira, o cenário deixa o procedimento do julgamento político como a via mais provável para retirar Temer do poder.

Entretanto, para que isso ocorra, a poderosa base aliada de Temer no Congresso, ou ao menos uma parte dela, deveria lhe dar as costas.

“Por isso, a primeira questão é saber se os partidos que formam a base do governo deixarão ou não o governo”, disse à AFP Thomaz Pereira, professor de Direito Constitucional na Fundação Getúlio Vargas.

Temer tentará estancar a sangria, especialmente com os principais aliados do PMDB e do PSDB.

O escândalo explodiu quando o jornalista Lauro Jardim, do Jornal O Globo, revelou na quarta-feira que Temer havia sido gravado secretamente enquanto conversava com Joesley Batista, um executivo da gigante alimentícia JBS.

Na gravação, divulgada na quinta-feira, Batista disse a Temer que todos os meses dava o dinheiro a Cunha para que tudo ficasse sob controle, e a isso Temer respondeu: “tem que manter isso, viu?”.

Mas em seu pronunciamento de quinta-feira, o presidente disse com fúria: “jamais comprei o silêncio de ninguém”.

Por conta deste novo escândalo, os investidores que estavam apostando nas medidas de austeridade propostas por Temer observam inquietos como será o comportamento do mercado nesta sexta-feira.