Só deixo cargo de vice por decisão judicial, diz Afif

Em entrevista após cerimônia de posse, o ministro da Secretaria de Micro e Pequena Empresa disse que a legislação não o obriga a deixar o cargo de vice-governador de São Paulo

Brasília – Em entrevista coletiva após cerimônia de posse, o ministro da Secretaria de Micro e Pequena Empresa, Afif Domingos, disse que a legislação não o obriga a deixar o cargo de vice-governador de São Paulo.

“Só deixo por decisão judicial”, disse o ministro, acrescentando que ele foi eleito para o cargo e “não se renuncia ao cargo para o qual foi eleito”. “Renúncia é muito grave, um vice não se licencia, ele é stand by”, completou.

Questionado se assim não estaria servindo a dois senhores, Afif disse: “Não sirvo a dois senhores. Eu sirvo a uma causa”. O novo ministro disse que, sobre essa questão de exercer os dois cargos, “foi tudo conversado” com presidente Dilma Rousseff.

Em relação à posição da Comissão de Ética da Presidência da República que pode questioná-lo sobre a dupla função, Afif disse que é melhor esperar a manifestação do colegiado. E insistiu: “A legislação não tem nada que me impeça de assumir o cargo.”

Ele classificou a decisão do PSOL de questioná-lo judicialmente em relação à dupla função de “ação para luzes”. “É uma ação de quem não está satisfeito”, disse, destacando que não se sente eticamente impedido de assumir o ministério porque a outra função que exerce, reforçou, é um cargo para o qual foi eleito.

Sobre o seu partido, o PSD, apoiar o governo no Congresso e Dilma à reeleição, Afif respondeu: “O PSD não virou governo. O PSD tem uma grande tendência de apoiar a reeleição da presidente Dilma, sem que isso signifique troca de cargos. Todo mundo sabe das posições do partido.”

Afif ainda comentou que a demora para assumir o cargo, já que o ministério foi criado em 28 de março, ocorreu porque houve “um processo longo de conversação”.