Serra e Haddad polemizam sobre uso de religião

Petista diz que tucano quis "instrumentalizar" pastores a fim de atacar sua honra. O candidato do PSDB citou a relação de petistas com o PRB, ligado à Igreja Universal

São Paulo – O candidato do PT à Prefeitura de São Paulo, Fernando Haddad, acusou nesta quarta-feira (10) seu adversário no 2.º turno, o tucano José Serra, de “instrumentalizar” pastores evangélicos a fim de atacar sua honra. Em resposta, o candidato do PSDB citou a relação de petistas com o PRB, ligado à Igreja Universal – um integrante do partido ocupa um ministério do governo Dilma Rousseff.

Na terça-feira (9), após se reunir com Serra, o pastor Silas Malafaia, da Assembleia de Deus Vitória em Cristo, disse ao jornal Folha de S. Paulo que ia “arrebentar” o candidato petista, relacionando-o ao kit anti-homofobia elaborado pela sua gestão no Ministério da Educação. O material, apelidado de “kit gay” por evangélicos, foi vetado pela presidente Dilma Rousseff após pressão da bancada evangélica.

No encontro com Silas Malafaia, também estava o pastor Jabes de Alencar, presidente do Conselho de Pastores de São Paulo, que reúne cerca de 6 mil líderes de igrejas evangélicas.

Na quarta-feira (10), antes de liderar uma carreata por Cidade Tiradentes, bairro do extremo leste da cidade, Haddad afirmou: “Minha família está muito indignada com a atitude do Serra de instrumentalizar pastores para me atacar na minha honra”. O petista fez um paralelo com a campanha presidencial de 2010, quando líderes evangélicos espalharam rumores de que Dilma, se eleita, promoveria a legalização do aborto. O tema afetou a campanha da atual presidente e a obrigou a divulgar uma carta-compromisso contra o aborto. Na época, petistas atribuíram a Serra a iniciativa de trazer o tema à tona.

Após caminhada quarta-feira (10) em Pirituba, zona norte, Serra afirmou não ver nenhum problema no apoio de Malafaia à sua candidatura. “Eu lembraria que o governo do PT tem um ministro de uma igreja, nomeado a partir de uma negociação política”, disse o tucano, referindo-se ao ministro da Pesca e Aquicultura, Marcelo Crivella (PRB), bispo da Igreja Universal do Reino de Deus e sobrinho de Edir Macedo, fundador da igreja e dono da Rede Record. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.