Aécio enfrenta dia decisivo após semana de vitórias

Marcada para hoje, uma reunião do Conselho de Ética do Senado deve decidir se o pedido de cassação de mandato do senador será ou não tirado da gaveta

Não só de vitórias é feita a semana de Aécio Neves (PSDB-MG). Dois dias depois de retomar sua cadeira no Senado Federal, o Conselho de Ética da Casa tem reunião agendada nesta quinta-feira para decidir se tira da gaveta o pedido de cassação de mandato do senador, protocolado pelo senador Randolfe Rodrigues e arquivado em decisão solo pelo presidente da comissão, João Alberto (PMDB-MA).

O peemedebista havia considerado o pedido de cassação improcedente, por falta de provas. Aécio, vale recordar, foi flagrado em gravação de Joesley Batista, dono do grupo J&F, pedindo 2 milhões de reais em dinheiro vivo, segundo ele, para pagamento de advogados em inquéritos da Operação Lava-Jato.

Às Sete – um guia rápido para começar seu dia

Leia também estas outras notícias da seção Às Sete e comece o dia bem informado:

A Procuradoria-Geral da República o acusa de ter pedido propina. Insatisfeitos com a decisão monocrática de João Alberto, um grupo de parlamentares exigiu que a decisão seja tomada pelo Plenário do Conselho. São necessários oito votos — dentre 15 membros — para que o pedido de cassação ganhe vida e seja debatida pelo grupo.

Aprovada ali, pode ir a Plenário do Senado e levar à cassação de Aécio. Senadores afirmam em reserva, contudo, que o clima para cassar o mandato do tucano é zero. “Nem da presidência do PSDB ele saiu ainda”, diz um tucano.

Na terça-feira, o tucano foi recebido em um almoço da bancada do partido no gabinete do presidente interino da legenda, Tasso Jereissati (PSDB-CE). Em pronunciamento no Senado, disse: “Não cometi crime algum, não aceitei recursos de origem indevida. Fui vítima de uma armadilha de um criminoso confesso”.

Com tantos políticos enrolados na Lava-Jato além de Aécio, há um temor geral de que um abandono dele agora possa ser revertido a outro alvo no futuro, conforme chegam as novidades nas investigações.

O próprio presidente da República, Michel Temer, dispara contra a PGR e os delatores para se defender. A situação é bastante diferente do caso de Delcídio do Amaral, escanteado até dentro de seu antigo partido, o PT. Naquele momento, em maio de 2016, o senador foi cassado em Plenário por unanimidade: 74 votos a zero.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. persianasflaci.blogspot.com

    È uma vergonha esse sr estar em liberdade ..