Selic em 9,25%, volta a alta do combustível e mais

Não conseguiu acompanhar as notícias do dia? Confira o que aconteceu de mais importante

Selic em 9,25%

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central anunciou no fim da tarde desta quarta-feira a redução de 1 ponto percentual na Selic, de 10,25% para 9,25%. A decisão, prevista pelo mercado, foi por unanimidade e sem viés. Trata-se do sétimo corte seguido na taxa básica de juro da economia e o terceiro no patamar de 1 ponto. “A manutenção das condições econômicas, até este momento, a despeito do aumento da incerteza quanto ao ritmo de implementação de reformas e ajustes na economia, permitiu a manutenção do ritmo de flexibilização nesta reunião”, diz o comunicado. A Selic não ficava em 1 dígito desde 2013. A decisão faz o Brasil cair do segundo para o terceiro lugar em juros reais no ranking com 40 economias feito pela Infinity Asset Management: com juros de 3,71%, ficamos atrás de Rússia (4,59%) e Turquia (3,93%).

_

Depoimento em pessoa

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva protocolou nesta quarta-feira, por meio de seus advogados de defesa, um pedido para que seu próximo interrogatório na Operação Lava-Jato seja presencial. No dia 13 de setembro, o petista responde por suspeitas de que um terreno em São Paulo, onde seria construída a nova sede do Instituto Lula, e um apartamento vizinho ao seu em São Bernardo do Campo foram comprados pela Odebrecht em troca de contratos adquiridos pela empresa na Petrobras. Segundo os procuradores, chegam a 13 milhões de reais os valores de vantagens indevidas, em acusação de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. A sugestão de videoconferência foi feita pelo juiz federal Sergio Moro, para redução de custos. A Polícia Militar do Paraná diz ter gastado 110.000 reais em aparatos de segurança quando Lula foi a Curitiba depor no caso do tríplex do Guarujá. A defesa do ex-presidente afirma que o interrogatório presencial é um direito do réu.

_

Janot quer Cunha preso

Em um recurso ao pedido de habeas corpus do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ) ao Supremo Tribunal Federal, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, manifestou-se pela manutenção de prisão do peemedebista por causa de sua personalidade “voltada ao crime”. “Seu potencial delitivo, hoje, está concentrado mais na capacidade de influenciar seus asseclas, ainda ocupantes de cadeiras no Congresso Nacional, do que propriamente no abuso das prerrogativas de parlamentar”, disse. Para Janot, o pedido de habeas corpus perdeu objeto por ser contra a prisão preventiva determinada pelo juiz Sergio Moro. Cunha, de acordo com o PGR, estaria em prisão cautelar, pois foi condenado a 15 anos e quatro meses por corrupção passiva, lavagem de dinheiro e evasão de divisas no caso da compra de um campo de petróleo em Benin pela Petrobras.

_

Ocupações do MST

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra ampliou nesta quarta-feira o rol de ocupações da “Jornada por Reforma Agrária”, com invasão em fazendas ligadas ao empresário Eike Batista. O grupo promove desde ontem ações em terras de políticos e empresários acusados de corrupção. Cerca de 200 famílias adentraram um complexo de fazendas com 700 hectares em São Joaquim de Bicas (MG) registradas em nome da MMX, empresa de mineração do grupo de Eike Batista. A ação já se espalha por 12 estados, incluindo terras do ministro da Agricultura, Blairo Maggi (PP), do coronel João Baptista Lima Filho, amigo do presidente Michel Temer, e de Ricardo Teixeira, ex-presidente da CBF.

Alta do PIS/Cofins de volta

O desembargador Hilton Queiroz, presidente do Tribunal Regional Federal da Primeira Região (TRF-1), derrubou nesta quarta-feira a decisão judicial que havia suspendido o aumento no preço dos combustíveis. Com a decisão, volta a valer o decreto do presidente Michel Temer que elevou a alíquota do PIS/Cofins sobre gasolina, diesel e etanol. Queiroz atendeu a recurso da Advocacia-Geral da União (AGU). O AGU alegou que a suspensão do aumento do PIS/Cofins sobre combustíveis gera perdas diárias de 78 milhões de reais. “A consequência imediata da não suspensão dessa decisão é a necessidade de aprofundar o contingenciamento do orçamento da União em montante semelhante, com gravíssimas consequências para a prestação dos serviços públicos”, escreveram.

_

Bolsa: queda de 1%

O Ibovespa caiu 1% nesta quarta-feira e teve seu segundo pior pregão do mês. O dia de perdas aconteceu em meio à temporada de balanços e com a queda das ações das siderúrgicas. Os papéis preferenciais da Gerdau caíram 5,3%, enquanto os da CSN recuaram 4,4%. Do lado positivo, as ações da companhia de alimentos JBS subiram 5,8% — o melhor desempenho do dia no Ibovespa. A companhia fechou um acordo de renegociação de suas dívidas no Brasil. Ao todo, 21,7 bilhões de reais — 93% das dívidas da JBS no Brasil — foram repactuados.

_

Déficit aumenta

As contas do governo central, que reúne Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central, tiveram um déficit de 19,79 bilhões de reais em junho. Foi o pior desempenho para o mês em toda a série histórica. Com isso, o resultado do primeiro semestre ficou negativo em 56 bilhões de reais, também o pior resultado da série. No acumulado de 12 meses, o governo central teve déficit de 182,8 bilhões de reais, o equivalente a 2,83% do PIB. Para este ano, a meta fiscal é um déficit de 139 bilhões de reais. As despesas sujeitas ao Teto dos Gastos subiram 7% no primeiro semestre deste ano em relação a igual período de 2016. O limite de crescimento das despesas no ano é de 7,2%.

_

Fed mantém juros

O Federal Reserve, banco central dos Estados Unidos, manteve a taxa de juros do país inalterada entre 1% e 1,25% e sinalizou a possibilidade de iniciar seu plano de redução do portfólio de ativos. A votação para manter os juros inalterados foi unânime. Na declaração divulgada nesta quarta-feira, o Fed disse que espera começar a reduzir o balanço “relativamente em breve”. Os membros do banco americano deram poucas indicações de que a inflação fraca tenha alterado seus planos de elevar os juros pelo menos mais uma vez neste ano.

Trump bane trans

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou em sua conta no Twitter que vai banir a entrada de pessoas transgênero em qualquer serviço militar do país. Trump afirmou que a decisão foi embasada em consultas a seus generais e experts militares na necessidade de “focar vitórias decisivas”. O presidente também disse que “as forças militares não podem ser carregadas pelos custos médicos e disrupções que pessoas transgênero no exército iriam trazer”. O anúncio, que reverte uma política de abertura para essa possibilidade durante o governo do ex-presidente Barack Obama, causou revolta entre aliados da causa LGBT. Enquanto democratas se opuseram imediatamente à proposta, Republicanos foram pegos de surpresa pelo anúncio e reiteraram a necessidade de não fazer declarações desse tipo via Twitter.

__

Obamacare permanece

O programa de saúde Obamacare permanece de pé, depois que mais uma tentativa do Senado americano em repeli-lo caiu por terra nesta quarta-feira. Os senadores rejeitaram a proposta da liderança republicana que retiraria o efeito de diversas partes da lei. Na noite de terça-feira, o Senado também havia rejeitado a proposta republicana de substituição do Obamacare. Ainda fica no aguardo o voto sobre mudanças mais leves. A rejeição mostrou que, mesmo com maioria nas duas Casas do Congresso, os republicanos não conseguiram reunir esforços suficientes para fazer grandes mudanças na legislação. Segundo uma pesquisa do instituto Gallup, a lei é aprovada por 55% dos americanos e muitos senadores temem irritar suas bases ao fazer mudanças no Obamacare.

__

2 bilhões de usuários

A rede social Facebook teve um crescimento no faturamento acima do esperado, segundo relatório trimestral da companhia, divulgado nesta quarta-feira. O grande responsável por isso é a contínua força do segmento de propaganda em vídeo, um dos grandes investimentos da companhia no último ano. O faturamento da companhia foi de 9,3 bilhões de dólares, 45% maior do que o registrado no segundo trimestre do ano passado. A rede social de fotos Instagram, da qual o Facebook é dono, ajudou a somar os números de venda de publicidade, que em meios móveis já ocupa 87% de todo a receita da companhia. Os lucros foram de 3,8 bilhões de dólares, uma alta de 71%. A rede alcançou também a marca de 2 bilhões de usuários mensais e está em um ritmo de crescimento bem maior do que o de outras gigantes da tecnologia. O investimento em vídeo é uma grande aposta do Facebook enquanto desenvolve em paralelo outras tecnologias, como funcionalidades de chat e realidade virtual.